Papa diz a argentinos estar enjaulado

Francisco está no Brasil, é o bispo de Roma, mas por alguns minutos, voltou ao posto de cardeal de Buenos Aires, quando recebeu mais de 5 mil jovens argentinos, na Catedral do Rio, e com outras 30 mil pessoas amontoadas pelas ruas do centro.

No encontro com jovens argentinos o Papa fez um discurso de improviso, pediu uma Igreja “barulhenta” que “saia às ruas”. No fim do encontro, terminou fazendo alguns desabafos: “Como é ruim estar enjaulado. Teria gostado de estar mais perto de vocês”, disse, em tom de crítica ao esquema de segurança no Brasil.

O sumo pontífice chegou a se queixar do esquema de segurança montado no País para sua viagem e os obstáculos que isso cria em seu contato com os fiéis.

“Por momentos, me sinto enjaulado”, declarou. Na preparação do evento, o papa insistiu que gostaria de usar a viagem para se aproximar dos católicos e, em diversas ocasiões, o Vaticano teve de confrontar os planos do governo brasileiro, que insistia em um esquema de segurança maior para o Papa.

O encontro com os argentinos, apesar das reclamações do santo padre, foi animado.

É a primeira vez, desde que foi eleito Papa em março deste ano, que Francisco fica tão perto de Buenos Aires.

Ele não havia deixado a Europa e não encontrara tantos conterrâneos em um só lugar.

O evento foi um pedido seu. Enfático, o sumo pontífice repetiu o que já declarou em Roma e insistiu que a Igreja não pode ser apenas uma ONG.

Disse ainda: “Espero uma confusão na Jornada Mundial da Juventude, mas quero confusão e agito nas dioceses, que vocês saiam às ruas. Quero que a Igreja vá para as ruas. Quero que nos defendamos de tudo que seja acomodação, ficando fechado em torno de nós mesmos. As paróquias devem sair às ruas. Senão, acabam se transformando numa ONG. E a Igreja não pode ser uma ONG. Não podemos esvaziar a fé.    

Fonte: Agência Nacional/Redação

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS