Tempo - Tutiempo.net

Partidos continuam conversas, e STF decide sobre federação na quarta-feira

Carlos Siqueira e Gleisi Hoffmann, presidentes do PSB e do PT, conversam sobre eleições em vários estados

Já na sua primeira sessão deliberativa, na quarta-feira (2), o Supremo Tribunal Federal (STF) tem agendado na pauta julgamento de liminar sobre o tema federações partidárias. Nesta terça-feira, às 10h, a Corte iniciou seus trabalhos de 2022, após o recesso, com sessão solene.

O evento será realizado por videoconferência, devido ao aumento do número de casos de covid-19 e gripe no Distrito Federal.

Em 9 de dezembro, o ministro Luís Roberto Barroso, relator da ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 7021, do PTB, contrário às federações partidárias, autorizou liminarmente a constituição dessas entidades.

Por sua vez, estas têm de obter registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até seis meses antes das eleições de 2 de outubro, ou seja, em 2 de abril.

Por outro lado, PT, PSB, PV e PCdoB apresentaram na sexta-feira (28), no mesmo TSE, um pedido de ampliação de prazo para a formalização das federações partidárias.

As legendas pleiteiam inicialmente a data de 5 de agosto. Os presidentes dos partidos pretendem se reunir com Barroso, que atualmente também preside da corte eleitoral, e expor as dificuldades objetivas para cumprir o prazo até abril.

Independentemente das questões jurídicas e formais, os aspectos políticos têm sido objeto de discussões mais complexas.

As quatro agremiações se reuniriam na noite desta segunda-feira (31) para conversar sobre aspectos relacionados a funcionamento de uma federação, principalmente o estatuto.

Em reunião realizada na quarta-feira passada (26), PT, PSB, PCdoB e PV fizeram uma reunião considerada “muito produtiva, mostrando grande convergência na construção institucional da federação”, nas palavras da presidenta do PT e deputada federal (PR), Gleisi Hoffmann.

Alckmin, Haddad e França

Não há dificuldades em se formar consenso em torno do nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o Palácio do Planalto, mas as questões regionais têm sido mais difíceis de resolver.

Sobretudo no estado de São Paulo, onde os ex-governadores Geraldo Alckmin (sem partido) e Márcio França (PSB) e o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) aparecem em pesquisas de intenção de voto como candidaturas potencialmente competitivas ao governo paulista.

Até o momento, nem PT nem PSB concordam com a retirada de seus respectivos candidatos na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes em nome de um acordo.

Na semana passada, a disputa em São Paulo respingou no Rio de Janeiro, onde o PT deve apoiar Marcelo Freixo (PSB), para o governo do estado.

Freixo afirmou que compreende “perfeitamente” o PT não abrir mão do nome de Haddad no estado vizinho.

Em reação, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, não gostou da afirmação do recém-filiado Freixo.

“A declaração foi inacreditável, inaceitável – ainda mais no mesmo dia em que a gente foi negociar com o PT o nosso acordo”, disse Siqueira. O dirigente acrescentou ter ficado “estarrecido”.

Pernambuco

Além de Acre e Espírito Santo, Pernambuco é outro estado em que as conversas têm se estendido.

Pesquisa Vox Populi encomendada pelo PT mostra três cenários para o governo do estado, e em todos eles o senador Humberto Costa lidera.

O pior resultado do petista é 31%, em um quadro em que o ex-prefeito do Recife Geraldo Júlio (PSB) aparece em segundo, com 16%.

O PSB ainda não se decidiu sobre um pré-candidato. Tadeu Alencar (2%) e Danilo Cabral (1%) aparecem aparentemente sem chance na pesquisa.

As discussões envolvem também a disputa pela cadeira pernambucana ao Senado.

A presidente do PC do B e vice-governadora Luciana Santos e a deputada Marília Arraes (PT-PE) são cotadas para a vaga.

Se um acordo levar o PT a uma hoje improvável desistência de Humberto Costa pelo governo estadual, ele ficaria com a vaga para se reeleger ao Senado.

As negociações são difíceis.

RBA

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS