Tempo - Tutiempo.net

Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná estão à beira do colapso

Brasil próximo do colapso

Os governos de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná ligaram o sinal de alerta para o eminente colapso na saúde por conta da avalanche de novos casos graves de Covid-19.

O esgotamento da capacidade do sistema de saúde fez com que os governadores adotassem medidas restritivas. Em Santa Catarina, os hospitais atingiram a maior taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em toda a pandemia: 91,18%.

O governo publicou um decreto com novas restrições no estado válidas por 15 dias.

André Motta, secretário da Saúde, admitiu que o estado está enfrentando um colapso na saúde e enviou mensagem aos prefeitos catarinenses pedindo medidas mais restritivas para diminuir a circulação de pessoas.

“Preciso informar a todos que a situação da pandemia deteriorou no Estado todo e, a exemplo do que acontece nas regiões mais a Oeste, estamos entrando em colapso! Todos os esforços de Estado e municípios, até então, são insuficientes em face à brutalidade da doença. Infelizmente, percebesse fenômeno similar no resto do país”, disse o secretário de Saúde.

 No Rio Grande do Sul a situação também é de extrema gravidade. A taxa de ocupação de UTIs alcançou um patamar recorde e o governo acionou o último nível do Plano de Contingência Hospitalar.

O governo do RS ainda solicitou aos hospitais o uso de todos os espaços possíveis para receber pacientes de Covid-19, diante da dificuldade de criar novos leitos de UTI.

Arita Bergmann, secretária da Saúde, apresentou a evolução da ocupação de leitos clínicos e de UTI nas últimas semanas. No dia 24 de janeiro, o RS tinha 2.383 pessoas internadas com Covid-19. Já na quinta, o número era de 4.925 pacientes em hospitais, uma alta de 206%.

“Não haverá leitos, especialmente de UTI, para atender a demanda, que é crescente. Crescente a ponto de nos deixar com uma lista de espera”, explicou. “Estou enxergando o pico do Everest. Estamos apavorados”, acrescentou.

 No Paraná, o número de internações de casos suspeitos e confirmados de Covid-19 bateu um novo recorde na quinta-feira, com 3.376 pacientes hospitalizados.

“Não é fácil, é uma decisão dura. Serão dias turbulentos, mas as medidas servirão para salvar vidas. Não podemos ter um colapso na saúde”, afirmou o governador Ratinho Junior.

Na capital Curitiba, os hospitais do Trabalhador, Cajuru e Evangélico Mackenzie registraram fila de pacientes à espera de atendimento após os leitos das instituições terem ficado lotados. Os doentes aguardaram dentro de ambulâncias ou até mesmo em tendas do lado de fora das unidades.

Segundo a secretária de Saúde da cidade, Márcia Huçulak, a falta de vagas para o atendimento geral está diretamente relacionada ao aumento no número de casos de Covid-19 no município.

“Tem sido uma avalanche de casos de Covid-19 nas UPAs [Unidades de Ponto Atendimento] e com quadros graves. Quando a sociedade se movimenta, aumenta a proliferação e o número de casos, o que demanda mais internação para a doença. E, ao mesmo tempo, aumenta o número de acidentes, de trauma e violência. A gente precisa que a sociedade circule menos”, disse a secretária

RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS