Tempo - Tutiempo.net

Se eleito Moro vai criar um tribunal de exceção

Moro quer criar um Tribunal de Exceção

Sergio Moro vinha enunciando platitudes liberais em relação à economia e agora encontrou, em Afonso Celso Pastore, um biombo para protegê-lo de questionamentos mais complexos por parte do mercado.

Na área social, passou da etapa da genérica “compaixão” pela miséria à clara confirmação de que não entende patavinas do assunto ao anunciar uma “agência”,  nos moldes da Anatel, Aneel e outras, para combater a pobreza.

Mas o perigo maior para o país representado pela candidatura do ex-juiz está no plano institucional, traduzido na proposta de criação de uma “corte nacional anticorrupção”.

Em entrevista ao Correio Braziliense, neste domingo, Moro disse que pretende criar um tribunal especial contra a corrupção. Numa clara confrontação ao STF, que o considerou parcial no julgamento do ex-presidente Lula, o ex-juiz resolveu desmantelar o sistema judicial brasileiro se for eleito presidente da República.

Sua justificativa:  “nossos tribunais não podem ter uma resposta assim tão formal para o problema da corrupção”.

Como assim??

Será que, além de virar de ponta-cabeça a estrutura do Judiciário, Moro quer criar um tribunal que passe por cima das formalidades da lei?

Dá para imaginar o que seria, na visão de Moro, uma resposta informal para o problema da corrupção.

Mais ou menos aquilo que ele fez em Curitiba, multiplicado por dez quinze, ou vinte – a depender do número de integrantes dessa nova corte.

E que seriam eles?

Segundo o ex-ministro, seu tribunal anticorrupção seria integrado pelos “melhores servidores e os melhores magistrados do Judiciário, por meio de um processo seletivo que leve em conta, com procedimentos de devida diligência, não só a integridade dessas pessoas, mas também o comprometimento com o combate à corrupção, sem aumentar custos orçamentários”.

É evidente que esse processo seletivo seria o que o ex-juiz e seus amigos de Curitiba quisessem, e os juízes desse tribunal escolhidos a dedo por eles.

Seria interessante que, na próxima entrevista, alguém perguntasse a Moro se magistrados como Edson Fachin, por exemplo, teriam lugar na sua Corte.

Afinal, o ministro, um lavajatista de carteirinha, foi o responsável por anular as sentenças de Lula. Ao fim e ao cabo, graças a ele o petista voltou à cédula eleitoral sem maiores procedimentos.

Vai ou não vai?

Acima de tudo, a proposta de Sergio Moro de criação desse tribunal de exceção indica uma indisfarçável vontade de mexer nas instituições e montar em torno dele, se eleito, um Estado policial.

Foi bom, muito bom, que Moro já tenha levado a público suas intenções.

Mais claro do que isso, impossível: a democracia, coitadinha dela!, voltará à zona de risco em caso de vitória do juiz candidato. E as elites brasileiras não vão poder disfarçar e sair de fininho, como fizeram no caso de Jair Bolsonaro, que ajudaram a eleger, em nome de um antipetismo e da promessa de um suposto liberalismo que nunca veio.

Deu no que deu.

Mas talvez seja pedir muito dos que hoje se iludem com Pastores (do mercado, e não das igrejas) e promessas que percebam onde estão se metendo. Só não digam que não foram avisados.

 

Helena Chagas é jornalista, foi ministra da Secom e integra o Jornalistas pela Democracia

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS