Senador do PT que faz autocrítica na Veja e reclama de falas “deturpadas”.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Era uma vez um senador chamado Humberto Costa, do PT de Pernambuco.

Ex-ministro da Saúde do governo Lula, Humberto foi uma voz ativa durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Combativo, denunciou o golpe na tribuna.

Em dezembro, foi reconhecido por um sujeito quando estava na Livraria Cultura do Recife e hostilizado.

Os dois acabaram se atracando. “Sem qualquer motivo, fui atacado por uma pessoa completamente descompensada. Primeiro, verbalmente, tratado por vários impropérios. Não satisfeito, o agressor partiu para o ataque físico”, disse em nota.

O homem era mais um brasileiro submetido à pesada dieta de ódio seletivo que tem na Veja a grande porta voz. Humberto é uma presença constante na revista há muito tempo, aliás. Obviamente que nunca apareceu de maneira positiva.

Augusto Nunes dedicou-lhe vários textos ao longo de 2016. Num deles, chamou-o de “oposicionista petralha”. Noutro, acusou Costa de proibir Temer “de tirar o país do buraco em que foi enfiado pela quadrilha lulopetista”.

Humberto, um dia, resolveu fazer uma autocrítica de seu partido. Autocrítica é uma coisa saudável.

Mas ele resolveu fazer isso na Veja.

Humberto, lemos no site, conta “que chegou a hora de o PT admitir que se envolveu em corrupção, pedir desculpas à sociedade pelos erros que cometeu e abandonar o discurso de ‘denúncia do golpe’”.

As declarações estão, neste momento, em todos os sites extremistas que o cidadão que tentou encher a cara de Humberto de porrada adora, da Folha Política a um tal Jornalivre.

Intelectuais como Alexandre Frota estão felizes como pinto no lixo. Frota já está espalhando um meme com uma palavra de ordem: “Mais uma vez o PT se colocou acima do Brasil. Compartilhe e mostre a sua indignação!”

Diante da reclamação de alguns militantes, Humberto agora alega que suas falas foram “deturpadas”. Puxa vida!

A lógica é a mesma que levava o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, a ir sempre ao programa Pânico, da Jovem Pan. Nunca ganhou um voto. Foi massacrado nas eleições para prefeito.

Humberto é mais uma flor desse republicanismo. Se depender dessa estratégia, Bolsonaro 2018 é batata.

Kiko Nogueira

OUTRAS NOTÍCIAS