Tempo - Tutiempo.net

STF derruba decisão de Nunes Marques e mantém cassação de deputado bolsonarista

Cassação do Deputado Francischini é mantida

Os dois ministros nomeados por Jair Bolsonaro – Kassio Nunes Marques e  André Mendonça – saíram derrotados na sessão desta terça-feira (7) da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).

O colegiado derrubou a liminar com que Marques devolveu, na quinta-feira (2), o mandato ao deputado estadual bolsonarista Fernando Francischini (União-PR).

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou o parlamentar em outubro de 2021 por divulgar notícias falsas sobre urnas eletrônicas nas eleições de 2018. “A cassação é adequada para fulminar as sementes da desconfiança do sistema do voto eleitoral”, disse Gilmar Mendes ao concluir seu voto.

Como Gilmar, os ministros Ricardo Lewandowski e Edson Fachin contrariaram a dobradinha Nunes Marques e Mendonça.

De madrugada, André Mendonça suspendeu sessão virtual extraordinária com um pedido de vistas. Com os votos de Fachin, Lewandowski e Gilmar, a Segunda Turma derrotou as teses bolsonaristas.

Uma, a de exagero na punição, e outra, a de que o deputado apenas exerceu liberdade de expressão. Nunes Marques manteve a posição pela qual devolveu o mandato ao deputado.

Segundo ele, o tema em questão diz respeito à “evolução tecnológica” relacionada ao processo eleitoral. Afirmou que compreende a preocupação do TSE.

Mas, em relação à rapidamente perdendo força e rompendo com o pacto firmado para a redemocratização do país, em especial com o crescimento frenético de partidos e governantes com tendências autoritárias, com ponto fulcral a partir do término das eleições de 2014.por live transmitida pelo Facebook, na qual disseminou notícias falsas, reforçou o entendimento de que o deputado não pode perder o mandato por um ato de 2018, quando não havia lei específica sobre internet e liberdade de expressão.

“Não há como criar uma proibição posterior aos fatos e aplicá-la retroativamente”, disse. Para ele, trata-se de uma “questão de segurança jurídica”. André Mendonça, o segundo nomeado por Bolsonaro, acolheu integralmente o voto do relator.

Não há liberdade para tumultuar eleição
Edson Fachin – hoje também no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral – destacou que o caso é de competência do Plenário do STF, e não da Segunda Turma. Porém, já estando em julgamento, não se negou a proferir o voto. Também quanto ao mérito, divergiu do relator e de Mendonça.

“A disputa de ideias não compreende a liberdade de defender afirmações sabidamente falsas ou sem fundamentos que só visam tumultuar o processo eleitoral”, afirmou Fachin.

“Não há autorização para disseminar desinformação, preconceitos e ataques à democracia.”

Segundo ele, a prática de Francischini viola pressupostos básicos da democracia, o pluripartidarismo e os “direitos fundamentais da pessoa humana”.

“Não há direito fundamental para propagação de discurso contra a democracia”, acrescentou.

O ministro Ricardo Lewandowski destacou que iria se concentrar apenas nos aspectos processuais, e nem entraria no mérito da causa.

“Dizia eu no café que antecedeu a sessão que as decisões dos relatores são solitárias, e precisam ser tomadas, segundo (o ex-ministro) Marco Aurélio, de acordo com a consciência do julgador”, disse.

Ele lembrou que o Plenário do TSE cassou o diploma de Francischini, declarando a inelegibilidade do deputado.

Jurisprudência
Último a votar, Gilmar Mendes rejeitou o argumento de Nunes Marques de que, se a lei não previa a punição de práticas abusivas na internet em 2018, não poderia haver cassação.

Gilmar afirmou que o entendimento do TSE não é sequer novidade. Citou acórdão do tribunal eleitoral de 2016, segundo o qual o uso indevido de meios de comunicação abrange a internet.

“A justiça eleitoral pode atuar no âmbito da internet para punir uso abusivo e impulsionadores de notícias falsas”, disse.

Citando jurisprudência, Gilmar Mendes acrescentou que a conduta do cassado (Francischini) foi muito além de “ofender” a legitimidade o pleito.

“A perda de mandato de quem tenta minar a credibilidade das urnas é de extrema gravidade”, concluiu Gilmar, ao considerar a cassação “adequada para fulminar as sementes da desconfiança do sistema do voto eleitoral”.

Bolsonaro irritado
O presidente Jair Bolsonaro se insurgiu nesta terça-feira (7), durante cerimônia no Palácio do Planalto, contra a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal.

“Aqui do outro lado da Praça dos Três Poderes, uma turma do STF, por 3 a 2, mantém a cassação de um deputado acusado em 2018 de espalhar ‘fake news’. Esse deputado não espalhou ‘fake news’ porque o que ele falou na ‘live’ eu também falei para todo mundo: que estava tendo fraudes nas eleições de 2018. Quando se apertava o número 1, já aparecia o 13 [número do PT] na tela e concluía a votação”, declarou. A alegação de Bolsonaro, evidentemente, é falsa.

RPP

A profunda insensatez, o discurso de ódio,  a violência institucional e a política genocida mostram-se os baluartes e os principios básico do governo Bolsonaro que provocam a derrocada do Estado.

A derrocada do Estado brasileiro tem a expressa perda de vigência da Constituição de 1988.

A crise política,priovicada por Bolsonaro, somado às inúmeras reinterpretações de direitos e garantias fundamentais de governos legitimados sob uma cortina de fumaça democrática, simplesmente sobre o aspecto formal, mostram-se veementemente autoritários e representam risco iminente à ordem constitucional, pairando o estado de exceção a poucos. passos de um rompimento democrático.

A redemocratrização se perdeu a partir de Michel Temer e se degradou de vez com o governo miliciano  e genocida de Jair Bolsonaro.

O governante atual possui sérias tendências autoritárias, tendio como   projeto ditatorial a suspensão do processo eleitoral deste ano, com sua recondução ao Palácio do Planalto.

cljornal

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS