Tempo - Tutiempo.net

Autor de atentado contra jornalista é identificado: bombeiro e ‘cidadão de bem’

Bombeiro provoca incêndio em Jornal

O bombeiro Cláudio José Azevedo de Assis, de 55 anos, foi identificado como o autor de um dos atentados contra o proprietário do jornal Folha da Região, em Olímpia (SP).

Ele confessou o crime na quarta-feira (31) e responde em liberdade.

O crime foi cometido no último dia 17 de março, quando o imóvel que abriga o jornal, o portal e a rádio, além da residência do editor no andar superior, foi alvo de um ataque que provocou um incêndio.

O jornalista José Antônio Arantes, 62, sua mulher e uma neta acordaram às 4h30 com as chamas e a fumaça provocadas pelo ataque.

“Acordei de madrugada com meus dois cachorros latindo desesperados. Em seguida comecei a sentir o forte cheiro de fumaça. Quando abrimos a porta do quarto da minha neta, estava tudo tomado pela fumaça e um cheiro horrível.

Eu e minha esposa abrimos todas as torneiras de casa, baldes, e conseguimos apagar o fogo que começava a se alastrar para dentro. Se demorássemos mais dois ou três minutos, não teríamos condições de descer.

Se o fogo chegasse na minha moto, que deixo guardada dentro do espaço do jornal, poderia gerar uma segunda explosão, ainda mais forte que a primeira, que poderia nos impossibilitar de descer. Iríamos morrer ou queimados ou sufocados.

Não fomos mortos por questão de minutos, porque minha esposa conseguiu apagar o fogo da porta, senão eu não estaria aqui para dar esta entrevista”, relatou.

Segundo o delegado Marcelo Pupo de Paula, o bombeiro não concordava com a linha editorial do jornal. Com a pandemia, o veículo tem feito duras críticas a negacionistas e aos irresponsáveis que defendem medicamentos sem eficácia contra a Covid-19. Nas redes sociais, o bombeiro se apresentava como ‘trabalhador’ e ‘cidadão de bem’.

O jornal Folha da Região é o mais antigo e tradicional de Olímpia, com mais de 40 anos de existência, e é o único que circula em versão impressa no município. Na cobertura da pandemia, o veículo tem defendido as medidas recomendadas pela Ciência para o enfrentamento da Covid.

De acordo com o delegado, foi possível chegar à autoria do crime após análise de câmeras de segurança, que mostram Assis saindo de sua casa em uma moto, com uma mochila nas costas, às 4h10 do dia 17. O crime ocorreu minutos depois.

O bombeiro, após o crime, viajou para Linhares (ES) e retornou na quarta-feira (31). A polícia soube e foi à sua casa, onde reside com a mãe e uma irmã, mas não o encontrou.

Os policiais tiveram autorização da família para entrar no imóvel e encontraram a moto estacionada na varanda, além da mochila e de um capacete, no quarto. Os três itens foram apreendidos.

“Confrontamos a mochila que está apreendida com as imagens do dia do incêndio e não houve nenhuma dúvida de que era a mochila utilizada. Depois, o advogado me ligou dizendo que estava com ele no escritório e que ele queria confessar o crime”, disse o delegado de Olímpia.

“Assis [o bombeiro] disse que agiu sozinho e não tem nenhuma outra pessoa envolvida no fato. Mas cabe a mim investigar os pontos que não acreditar ou não aceitar”, acrescentou o delegado.

Ainda de acordo com o delegado, não há dúvidas sobre a autoria, mas falta ainda descobrir se há ou não um mandante e outras pessoas envolvidas.

Por isso, ele pediu a quebra do sigilo telefônico do bombeiro e pedirá a quebra do sigilo bancário. À polícia, Assis disse que jogou seus celulares num rio entre Olímpia e Severínia.

Assis não teve prisão decretada, segundo o delegado, por ter feito uma confissão espontânea.

“O ato covarde, essa mancha na vida dele, vai ficar pelo resto da vida, ele não tem histórico de violência, a ficha policial dele é limpa, ele tem emprego fixo, tem residência fixa, reside com a mãe e a irmã, ele é filho de Olímpia e está na ativa. Não vou pedir por ora, mas não descarto num futuro próximo se entender necessário”, disse.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS