Tempo - Tutiempo.net

Condenados do 8 de janeiro destroem tornozeleiras e fogem do país

Condenados do 8 de janeiro fogem do país

Ao menos dez militantes bolsonaristas condenados por participarem dos atos golpistas , no dia 8 de janeiro de 2023 em Brasília, fugiram do país após quebrarem suas tornozeleiras eletrônicas.

Segundo reportagem da UOL, ao menos 51 pessoas investigadas ou condenadas pela participação nas manifestações que destruíram a sede dos Três Poderes quebraram suas tornozeleiras e fugiram para o exterior.

O levantamento, baseado em registros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) identificou 10 fugitivos, com idade média de 50 anos.

Sete deles já foram condenados a mais de 10 anos de prisão pelos aos golpistas, seis são mulheres e a maioria é de estados do Sul do país. A reportagem aponta, ainda, que eles escaparam pelas fronteiras de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, rumo à Argentina e o Uruguai.

Não se sabe se são apenas 10 fugitivos – os órgãos de administração dos presídios do PR e de SC se recusaram a informar o número exato de pessoas que quebraram as tornozeleiras e fugiram.

Além disso, não foram emitidos alertas públicos da Interpol (polícia internacional) em busca dos fugitivos.

Veja a lista dos 10 condenados do 8/1 que fugiram para o exterior:

Ângelo Sotero
Natural de Blumenal – SC, o músico de 59 anos foi condenado a 15 anos e meio de prisão por tentativa de golpe de Estado e associação criminosa armada.

Foi solto meses após ser preso, com o uso de tornozeleira. Advogado diz que apoiou a fuga e nega saber o paradeiro de Sotero que, segundo a PF, fugiu para a Argentina.

Gilberto Ackermann
O corretor de imóveis de Balneário Camboriú – SC tem 50 anos e foi condenado a 16 anos de prisão por ter invadido o Palácio do Planalto, onde teria quebrado objetos. Segundo a advogada, ele fugiu no dia 25 de abril. A investigação da PF indica que ele foi para a Argentina no mesmo grupo que Sotero.

Raquel de Souza Lopes
Raquel foi acusada de ter destruído bens durante a invasão ao Planalto. Ela, que tem 51 anos e é natural de Joinville – SC, também fugiu para a Argentina em abril, segundo a PF.

Luiz Fernandes Venâncio
O empresário de 50 anos é réu em ação penal no STF pelas manifestações em 8 de janeiro do ano passado.

Ele fugiu para a Argentina e chegou a gravar um vídeo em frente à Casa Rosada, sede do governo argentino, em que relata que pediu asilo ao governo de Javier Milei, aliado do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), e aguarda audiência sobre o pedido. O advogado diz que ele estava na sede dos Três Poderes mas não destruiu nenhum bem.

Flávia Cordeiro Magalhães Soares
A empresária está foragida desde fevereiro. Investigada por supostos ataques ao sistema eleitoral e ao resultado das eleições de 2022, ela postou um vídeo em dezembro do ano passado em que afirma ter cidadania norte-americana, que usa pois ‘o Brasil está uma ditadura muito grande’. O inquérito afirma que Flávia “se utiliza de passaporte internacional para ingressar e sair do país sem se submeter às autoridades nacionais”

Alethea Verusca Soares
Natural de São José dos Campos, Alethea tem 49 anos e foi condenada a 17 anos de prisão por tentativa de golpe de Estado, associação criminosa armada e deterioração de patrimônio tombado. Ela nega ter quebrado bens e diz que só estava dentro do Palácio porque passou mal por causa das bombas durante as manifestações. De acordo com a PF, ela estava em regime aberto quando fugiu pra o Uruguai e, de lá, foi para a Argentina.

Rosana Maciel Gomes
A goiana de 50 anos foi condenada a 14 anos de prisão por tentativa de golpe de Estado e dano qualificado. Assim como Alethea, nega ter quebrado bens e diz que entrou no Palácio para fugir das bombas. Fugiu em janeiro para o Uruguai, quando estava em liberdade condicional, e de lá foi para a Argentina, segundo a PF.

Jupira Silvana da Cruz Rodrigues
Jupira tem 58 anos e é natural de Betim – MG. Foi condenada a 14 anos de prisão por tentativa de golpe de Estado, associação criminosa e destruição de patrimônio tombado. Segundo a PF, ela fugiu para o Uruguai em janeiro.

Daniel Luciano Bressan
O pedreiro e vendedor de 37 anos é réu em ação penal no STF, acusado de participar das manifestações golpistas, o que ele nega. Segundo a reportagem, ele fugiu para a Argentina – decisão que tomou por não conseguir oportunidades de emprego.

Ele gravou um vídeo na Argentina dizendo que estava no país vizinho ‘devidamente documentado’, vendendo ‘pulseiras patriotas’ para financiar fugitivos no exterior.

“Sou um preso político e, neste momento, um exilado político”, afirmou ele no vídeo. Na última sexta (10), ele divulgou uma rifa virtual feita pelo primo, no valor de R$ 35 mil, para sortear um Fiat Uno 2015.

Fátima Aparecida Pleti
Natural de Bauru -SP,  Fátima tem 61 anos e foi condenada a 17 anos de prisão por tentativa de golpe de Estado. De acordo com a PF,  a empresária estava em liberdade condicional aberto quando fugiu. O seu paradeiro não é conhecido.

O que dizem as defesas
A defesa dos condenados e investigados negam que eles tenham participado dos atos golpistas ou destruído prédios públicos.

IG/Justiça

OUTRAS NOTÍCIAS