Tempo - Tutiempo.net

CPI investiga “mensalinho” da Saúde pago à base Bolsonarista

Senador Randolfo Rodrigues

A  CPI da Covid acredita que ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, operava um esquema de “mensalinho”, com pagamento a aliados do governo Jair Bolsonaro (sem partido).

O dinheiro viria do suposto recebimento de propina por contratos firmados no Ministério da Saúde para compra de vacinas.

A comissão abre uma nova linha investigativa nessa direção, para apurar os fatos.

“Há indícios de que o ex-diretor de Logística Roberto Dias operava um esquema de ‘mensalinho’ no ministério para políticos da base aliada do governo Bolsonaro”, disse o vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Segundo Rodrigues, o esquema funcionaria dentro do Ministério da Saúde antes da pandemia do novo coronavírus e teria tido início do governo Bolsonaro, ainda em 2018.

“Tudo seria comandado pelo Roberto Dias, na área de logística, de contratos para transporte de medicamentos e insumos da Saúde”, afirmou.

Empresa da empresa VTCLog, que tem contrato para operação de transportes de produtos do Ministério da Saúde, estaria envolvida no esquema. Roberto Dias e a empresa negam qualquer irregularidade.

Segundo o UOL, o ‘mensalinho’ chegaria a R$ 300 mil por mês e era compartilhado entre três políticos da base aliada e o ex-diretor de Logística.

Da mesma forma que ocorreria com o caso da Covaxin, o valor seria um percentual dos pagamentos que a empresa receberia do Ministério da Saúde pelos serviços prestados.

Com informações do comentarista Valdo Cruz, do G1.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS