Tempo - Tutiempo.net

Milícia faz ronda e cobra taxa a moradores de favelas invadidas

foto: divulgação

Milicianos que invadiram, no final de julho, as favelas de Antares e Rola, em Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, usam uma caminhonete com uma metralhadora calibre .

30 acoplada em sua parte superior para fazer rondas na favela e aterrorizar moradores. Uma imagem do veículo, todo pintado de preto, faz parte de uma investigação da polícia sobre a atuação do grupo nas favelas.

Dois meses após a invasão, os paramilitares já cobram uma taxa a moradores e comerciantes das duas favelas. A polícia também recebeu denúncias de que câmeras de segurança foram instaladas pelos milicianos em alguns pontos das favelas.

A região era um reduto antigo do Comando Vermelho (CV), mas foi invadido por milicianos da favela do Cezarão no final de julho, após seguidos dias de tiroteio.

Desde então, a facção tem tentado retomar a região com o reforço de criminosos de diversas favelas dominadas pela quadrilha.

invasão teve participação de PMs

A Corregedoria da Polícia Militar concluiu que a invasão de milicianos às comunidades do Rola e de Antares, em Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, ocorrida em julho, contou com a participação de pelo menos quatro integrantes da corporação.

Dois soldados, uma cabo e um sargento foram identificados a partir de uma foto que mostrava um grupo de pelo menos dez pessoas fortemente armadas, algumas vestindo roupas semelhantes à farda da PM. Eles chegaram a ser presos administrativamente e estão até hoje afastados das ruas.

A foto de julho será comparada com as imagens feitas pela Rede Globo na Favela do Rola, na última segunda-feira, durante intenso tiroteio entre milicianos e traficantes, que tentavam retomar o território.

A filmagem, feita a partir de um helicóptero, mostra dezenas de homens armados, alguns utilizando roupas semelhantes à farda da PM. O objetivo da Corregedoria é saber se o confronto de anteontem também contou com a participação de policiais.

A Corregedoria já deu início ao processo que pode culminar na expulsão dos quatro policiais que aparecem na foto da invasão de julho.

A cabo foi a primeira a ser identificada e, em depoimento, ajudou a apontar os outros. Os PMs tiveram a prorrogação da prisão administrativa solicitada pela Corregedoria, mas o Ministério Público entendeu que a apuração deveria continuar, tanto para colher mais provas quanto para identificar outros policiais que aparecem na imagem.

Rafael Soares

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS