Tempo - Tutiempo.net

Motoboy é assassinado a tiros no bairro Jardim Acácia em Feira de Santana

Motoboy assassinado -Foto internet

Um motoboy de 28 anos foi assassinado a tiros Por volta das 22h50 de terça-feira (6), um motoboy foi assassinado no cruzamento da rua Canal com a rua Estrela da Manhã no bairro Jardim Acácia, em Feira de Santana.

Vinícius Santiago de Andrade foi alvejado por quatro disparos de arma de fogo, sendo ferido mortalmente na cabeça, abdômen, costas e coxa esquerda.

Segundo informações de terceiros a vítima estava em uma motocicleta e  portava uma mochila utilizada em delivery de alimentos. O veículo e pertences foram levados pelo autor do crime de morte.

O levantamento cadavérico foi presidido pela delegada Thiara Ramose que encaminhou o corpo para o Departamento de Polícia Técnica (DPT). Vinícius morava na 2ª Travessa Belo Horizonte, no mesmo bairro onde ocorreu o assassinato.

Em virtude do desaparecimento da moto e outros objetos da vítima o crime pode ser ser tipificado como latrocínio (roubo seguido de morte), entretanto a investigação vai procurar confirmar os motivos.

O delegado André Ribeiro, titular da DRFR, afirmou que em alguns casos a cena do crime pode ser mascarada para confundir a investigação da polícia. Por isso é prematura afirmar que se tratou de um latrocínio.

“Já teve situações parecidas em Feira de Santana, disse o delegado. Na Furtos, em que inicialmente se pensou que fosse um roubo, um latrocínio, e no decorrer das investigações  a gente descobriu que se tratava de um homicídio, pelas condições, inclusive teve um caso recente: um senhor, proprietário de um mercadinho, inicialmente se pensou que ele fosse vítima de um latrocínio, porque o elemento chegou anunciando o assalto e com o decorrer da investigação  a gente descobriu que sua companheira havia tramado com o amante a morte dele”, informou o delegado.

Ainda de acordo com André Ribeiro, no intervalo entre a morte da vítima e a chegada da polícia, pertences podem ser subtraídos e levar a hipótese de latrocínio, dificultando o trabalho de investigação.

cljornal com informações da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRF

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS