“Orem por nós”, diz médico sobre atendimento às vítimas de acidente que matou 41 pessoas

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
COLISÃO DE ÔNIBUS MATA 41 PESSOAS

Na manhã desta quarta-feira (25), uma colisão entre um ônibus e um caminhão deixou pelo menos 41 mortos e 10 feridos no interior de São Paulo .

“Prestamos nossas condolências às famílias e pedimos a todos que orem por nós e que estejam torcendo por nós nesse momento tão difícil”, disse um dos médicos da UTI de Santa Casa de Taquarituba.

O acidente ocorreu no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, entre Taguaí e Taquarituba (SP) . O ônibus levava trabalhadores para uma empresa têxtil em Taguaí. Ainda não se sabe a causa exata da colisão.

Das 41 vítimas fatais confirmadas até o momento, 37 morreram no local e 4 morreram enquanto eram transportadas para hospitais.

O médico intensivista Gabriel Ortega explicou que a transferência de algumas vítimas é necessária, porque a Santa Casa de Taquarituba não possui recursos suficientes.

“Nós recebemos aqui no nosso serviço seis vítimas . Duas chegaram já infelizmente em óbito, três delas estão internadas em UTI em estado grave e uma delas está internada na nossa enfermaria com apenas escoriações”, contou.

Ortega também explicou que “as vítimas estão sendo colocadas no sistema de transferência ” em decorrência da indisponibilidade de recursos. “Deus nos abençoe”, finalizou.

As vítimas do acidente estão sendo atendidas em hospitais das regiões de Taguaí, Fartura e Taquarituba. Algumas também foram transferidas para o hospital de Botucatu e para o hospital de Avaré.

O Governo de São Paulo montou uma força-tarefa para identificar e liberar os corpos.

O Coordenador de Defesa Civil do Estado, Coronel Walter Nyakas Júnior, e os Secretários de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, e de Saúde, Jean Gorinchteyn, foram para a região prestar solidariedade aos familiares das vítimas. Além disso, eles também devem coordenar os resgates e visitar os hospitais onde estão as vítimas.

IG

OUTRAS NOTÍCIAS