Para delegada Federal Prisco não deveria ficar na Papuda

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

A diretora substituta do Sistema Penitenciário Federal, em Brasília, Diana Calazans Mann, oficiou o juiz federal Antônio Oswaldo Scarpa, da 17ª Vara Federal, que indeferiu relaxamento de prisão do soldado Prisco, sobre a impossibilidade de manutenção de vereador em presídio federal.

O indeferimento da diretoria, que tem por base o fato de a prisão do vereador não preencher requisitos legais para manutenção dele em presídios federais, foi encaminhado à Justiça antes mesmo de Prisco passar mal e acabar internado na UTI do Hospital de Base, em Brasília.

Segundo documento no processo, Prisco não se enquadra no Decreto Lei 6.877/2009, regulamentado pela Lei 11.671/2008.

Conforme ofício encaminhado, os requisitos são: desempenhar função de liderança, participar de forma relevante em organização criminosa, ter praticado crime que coloque em risco sua integridade física no ambiente prisional de origem, ser membro de quadrilha ou bando envolvido na prática reiterada de crimes com violência ou grave ameaça, estar envolvido em incidentes de fuga, de violência ou de grave indisciplina no sistema prisional de origem, estar submetido ao Regime Disciplinar Diferenciado, ser o réu colaborador ou delator premiado, desde que essa condição represente risco à sua integridade física no ambiente prisional de origem.

Ainda segundo documento formulado pela diretora prisional, a situação fática retratada no pedido de inclusão não comprova existência de nenhum dos referidos quesitos.

O preso em questão não é membro de organização criminosa, não está submetido à RDD, não praticou crimes violentos ou mediante grave ameaça, nem tampouco foi incluído no sistema prisional do Estado da Bahia, não havendo que se falar em fuga ou risco à integridade física no ergástulo de origem, diz o documento formulado pela diretora e anexo.

No ofício encaminhado à Justiça, a diretora expõe como assunto da notificação “o indeferimento de vaga para preso do Estado da Bahia no Sistema Penitenciário Federal”.

“Diante de tudo não resta dúvidas que, juridicamente, não há motivos que justifiquem o retorno de Prisco ao Presídio de Papuda. Ele continua debilitado, na UTI, perdeu 15 quilos e está depressivo. Se recusa a comer ou a beber. Sem falar que os problemas gástricos dele só pioraram”, lamentou o coordenador da Aspra, Fábio Brito.    

Fonte: Prisco e a Delegada

OUTRAS NOTÍCIAS