Tempo - Tutiempo.net

PGR diz que não foi consultado sobre operação da PF contra Ricardo Salles

Ministro Ricardo Salles

A operação da Polícia Federal contra o ministro do Meio Ambiente  Ricardo Salles, deflagrada nesta quarta-feira (19), foi realizada sem uma consulta prévia ao procurador-geral da República Augusto Aras, como é a praxe nos procedimentos do tipo.

Em seu despacho que autorizou a operação , o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que a Procuradoria-Geral da República (PGR) fosse informada do caso apenas após o cumprimento das diligências.

“Após o cumprimento das diligências, dê-se, imediata ciência à Procuradoria-Geral da República”, escreveu Moraes, no despacho proferido no último dia 13 de maio. Nos bastidores, fontes que acompanharam o caso apontam que a PGR não foi informada previamente por receio de que Aras vazasse informações da operação para o Palácio do Planalto.

Geralmente, quando a PF solicita uma medida ao Supremo, o ministro pede um parecer da PGR a respeito do pedido policial.

Só depois desse parecer do Ministério Público é que a operação costuma ser realizada. A mudança desse procedimento causou estranheza em integrantes da equipe de Aras.

Considerado um aliado por Bolsonaro, Aras está analisando um pedido de investigação contra Salles, protocolado no STF pelo ex-superintendente da PF do Amazonas Ricardo Salles, mas pediu explicações ao ministro antes de decidir se solicitaria a abertura de inquérito.

A lentidão do PGR neste caso provocou desconforto entre investigadores da Polícia Federal.

José Cruz

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS