Tempo - Tutiempo.net

PRF demora mais muda o tom e diz que vê “com indignação” o assassinato de Genivaldo Santos por asfixia

O assassinato de Genivaldo Santos

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) voltou a se pronunciar sobre o assassinato de Genivaldo Santos.

O homem de 38 anos morreu asfixiado por gás lacrimogêneo em uma ‘câmara de gás’ improvisada dentro de um camburão da corporação em Umbaúba (SE).

Inicialmente, a PRF disse que empregou “técnicas de menor agressividade”, ao contrário do que mostram as gravações do assassinato.

A corporação ainda citou que Genivaldo “passou mal”.

Mudando de tom, a corporação agora diz que viu “com indignação” as imagens da abordagem e que os procedimentos empregados pelos policiais “não estão de acordo com as diretrizes em cursos e manuais da nossa instituição”.

“Assistimos com indignação aos fatos ocorridos em Umbaúba envolvendo policiais rodoviários federais que resultou na morte do senhor Genivaldo de Jesus Santos. Os procedimentos vistos durante a ação não estão de acordo com as diretrizes em cursos e manuais da nossa instituição.

A ocorrência dessa última quarta-feira e a morte recente de dois PRFs no Ceará implicou na avaliação interna dos padrões de abordagens.

Afirmo que já estamos estudando os nossos procedimentos de formação de aperfeiçoamento operacionais para ajustar o que for necessário para prestar um serviço de excelência”, disse o coordenador- geral de comunicação institucional da PRF, Marco Territo.

Com informações da PRF

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS