Após encontro com Wagner, Lídice diz que PSB sai em dezembro

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

 

Virtual candidata do PSB ao governo da Bahia, a senadora Lídice da Mata colocou, neste domingo (3) um ponto final nas especulações sobre a permanência do seu partido no governo do petista Jaques Wagner. “Nós sairemos em dezembro”, informou Lídice. O PSB ocupa apenas um cargo no primeiro escalão, a secretaria de Turismo comandada por Domingos Leonelli.

O desembarque do PSB do governo, segundo a senadora, foi tratada em recente encontro com o governador Jaques Wagner.

Este foi o mês estipulado por Wagner para que secretários e agentes públicos que pretendam disputar cargos eletivos em 2014 se desincompatibilizem dos cargos.

Lídice, que espera ter nova conversa com o governador na próxima semana, disse que a saída do PSB do governo não significa rompimento com o governador nem adesão ao campo da oposição. A socialista acalentava ser o nome da base governista apoiada por Wagner. A colocação da pré-candidatura à Presidência da República do governador de Pernambuco Eduardo Campos, numa aliança com a ex-senador Marina Silva, tornou inviável esse apoio.

Além de Wagner trabalhar para fazer de um petista seu sucessor, provavelmente o secretário Rui Costa (Casa Civil), o governador teria dificuldade, como ele admitiu à própria Lídice, de se dividir em mais de um palanque, por conta da disputa nacional. Ou seja, a reeleição da presidente Dilma Rousseff, projeto do qual Wagner é um dos principais articuladores.

“Compreendo as dificuldades (dele), mas não podemos deixar de considerar o projeto nacional do PSB”, disse a socialista. “A minha candidatura está posta”.

Lídice disse que, por ora, está envolvida na consolidação da Rede Sustentabilidade no PSB e na formulação de um programa de governo para a Bahia, a ser discutido em encontro ainda este mês.

Sobre futuras alianças, a senadora disse ser cedo, porque as candidaturas só se confirmarão no final do ano. Mas disse que tem conversado com os partidos. Lembrou que PDT e PP, embora da base de Dilma, ainda não têm decisão nacional pelo apoio à reeleição da presidente.

Fonte: Agência Senado

OUTRAS NOTÍCIAS