BOECHAT: ‘PMDB É A MAIOR AGLOMERAÇÃO DE SALTEADORES DA REPÚBLICA’

Reunião do PMDB de terça feira

O jornalista Ricardo Boechat, comentarista da rádio Band News, fez duras críticas na manhã desta terça-feira, 17, ao encontro que o PMDB realiza nesta terça, em Brasília, que deve marcar um primeiro movimento de afastamento gradual do partido da administração da presidente Dilma Rousseff.

Boechat lembrou que o PMDB integrou “rigorosamente” todos os governos desde o fim da ditadura.

“E não integrou com uma fatiazinha de poder, com um Ministério da Pesca, o partido sempre teve pastas importantes, estatais, diretorias e fundos de pensão importantes, detendo uma parcela significativa de poder”, afirmou.

E exemplificou: “A nossa inflação está sendo pressionada sucessivamente por conta dos aumentos na tarifa de energia elétrica e isso é obra do Ministério de Minas e Energia, que esteve nas mãos do PMDB durante os últimos muitos anos. O preço dos combustíveis, comprimido do jeito que foi, quebrando a Petrobras, esteve na mãos do PMDB”, disse Boechat.

Então, o partido vem querer dizer agora que não tem nada a ver com a degradação da zona?

Não conheço as moças que trabalhavam aqui?

Não me locupletei de seus corpos?

Que papo é esse, PMDB, que conversa fiada é essa?

Essa reunião de hoje é um movimento de traição mais vil que possa acontecer.

Ricardo Boechat também questionou o distanciamento do vice-presidente Michel Temer em relação à responsabilidade por eventuais erros do governo.

Michel Temer querer dizer que não tem nada a ver com o que está aí.

Ele foi vice-presidente nos últimos quatro anos. Não chegou Dilma e disse ‘generala, essa política econômica vai dar caca’?, questionou.

O jornalista da Band News terminou seu comentário com uma frase dura contra o partido. “Vocês são o maior aglomerado de salteadores que a República brasileira já viu”, afirmou.

Programa de governo

Durante o encontro do PMDB, organizado pela Fundação Ulysses Guimarães, entre os temas discutidos está o documento “Uma Ponte ara o Futuro”, encarado com o programa de uma eventual governo do PMDB, que faz duras críticas à política econômica e fiscal do governo Dilma Rousseff e faz propostas polêmicas, como o fim da política de valorização do salário mínimo e a desvinculação de receitas para a Saúde e Educação”.

A ministros petistas, o vice Michel Temer afirmou que o encontro será para discutir um programa para o país, que poderia ser debatido com o governo Dilma e, se as ideias peemedebistas não forem adotadas, podem ser um programa de governo do partido para 2018. O vice disse ainda que a ala que pede a saída do PMDB do governo é minoritária (leia mais).

PMDB do Rio ignora encontro

Estado em que o partido é mais forte, caciques do PMDB decidiram não participar de evento da sigla desta terça. “Tenho a inauguração de uma fábrica de tintas e o príncipe da Noruega, Haakon”, disse o governador Luiz Fernando Pezão. “Vou não. Muito trabalho por aqui. Tem uma Olimpíada ano que vem no Rio”, alegou o prefeito do Rio, Eduardo Paes. Já o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, está em Boston, num evento da Faculdade de Direito de Harvard.

Boechat

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS