Tempo - Tutiempo.net

‘Bolsonaro usa pandemia para atacar instituições’, diz médico ao Programa Bem Viver

O governo do presidente Jair Bolsonaro insiste no uso do chamado tratamento precoce para casos de Covid-19 não porque acredite na eficácia dos medicamentos contra a doença, mas para criar uma narrativa própria sobre a pandemia, fortalecer seu viés ideológico e colocar em dúvida as principais instituições do país.

“Parece que Bolsonaro quer as instituições desacreditadas porque aí fica mais fácil chegar em 2022 e, caso perca as eleições, dizer que elas foram fraudadas”, disse o médico Aristóteles Cardona, entrevistado de hoje (14) no Programa Bem Viver.

“Quando avaliamos o governo desde o seu início percebemos que ele está cheio de verdades alternativas e de tentativas de esconder a realidade, porque assim fica mais fácil.

Não a toa em determinado momento na pandemia o governo tentou modificar a contagem de casos e mortes de Covid-19. Era uma forma de esconder o que estava acontecendo. Seria mais fácil criar discursos e narrativas que fugissem a realidade”, disse o médico.

Ele defende que o uso do tratamento precoce não é um posicionamento que possa ser entendido como opinião pessoal, mas sim como erro científico.

Os medicamentos já são comprovadamente ineficazes contra a doença e alguns não são sequer indicados para tratamento de vírus, além de poderem causar graves efeitos colaterais.

“Falam que o tratamento precoce é opinião, mas não é. É uma questão de ciência, são dados concretos. O governo fica a todo tempo, como política, querendo deturpar a realidade para criar suas verdades alternativas”, disse o médico.

O mesmo ocorreu na semana passada, quando a presidenta do Tribunal de Contas da União (TCU), Ana Arraes, afastou por dois meses o auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, apontado como autor de um relatório falso que levanta dúvidas sobre o número de mortes por Covid-19 no país, e pediu abertura de processo administrativo para apurar o caso.

O relatório foi usado pelo presidente para questionar os dados da pandemia.

“Está no centro da política desse governo alimentar esse tipo de confusão, que deixa dúvidas sobre a realidade. Fica claro que esse caso foi premeditado, foi construído em cima de uma política”, afirmou Aristóteles.

“O responsável foi afastado, mas essas notícias ficam circulando nas redes sociais, em grupos de Whatsapp e alimentando o discurso. Ele precisa ser punido de forma exemplar par que isso não se repita.”

Edição: Sarah Fernandes

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS