Tempo - Tutiempo.net

Crianças queimadas em Rafah são o custo do mundo deixar Netanyahu solto

Palestinos procuram por vítimas e comida entre os destroços causados por bombardeio israelense à Rafah

O governo de Benjamin Netanyahu lançou um ataque contra o Sul de Gaza sob a justificativa de atingir o Hamas, mas causou um incêndio em um campo de refugiados, matando dezenas, entre mulheres e crianças. Tratou, dessa forma, não apenas palestinos como lixo, mas também a Corte Internacional de Justiça, que havia mandado interromper os bombardeios à cidade de Rafah.

“As informações provenientes sobre novos ataques a famílias que procuram abrigo são horríveis. Há relatos de vítimas em massa, incluindo crianças e mulheres entre os mortos. Gaza é o inferno na terra. As imagens da noite passada são mais uma prova disso”, postou no X/Twitter a agência das Nações Unidas para o atendimento aos refugiados palestinos.

Corpos carbonizados, membros dilacerados, gente queimada urrando de dor esperando para morrer. Ironicamente, no local para onde Israel originalmente empurrou milhões de palestinos de toda Gaza, alegando que estariam salvos de ataques e bombardeios. Há uma hipocrisia por parte do sistema Internacional e de organizações multilaterais ao ficarem surpresas com o governo de Israel por desrespeitar uma decisão da corte.

Nesse sentido, Netanyahu vem sendo extremamente coerente na banana que dá diariamente ao mundo. No afã de se manter longe da prisão, que é o local para onde ele pode ir ao deixar o governo devido às denúncias de corrupção, os ataques à Suprema Corte e sua incompetência em prever os ataques do Hamas, continua produzindo cenas de horror não se importando com a opinião pública internacional.

Sabe que a guerra o mantém no poder. Milhares de israelenses, principalmente famílias de reféns, protestam contra ele por estender o conflito e não conseguir traze-los de volta. São reprimidos com violência na “maior democracia do Oriente Médio”.

Diante do cinismo escancarado, a única saída é que o Tribunal Penal Internacional acate o pedido do procurador-chefe Karim Khan, de prisão de Netanyahu, do ministro da Defesa, Yoav Gallant, e de três líderes do grupo Hamas, responsável pelo ataque terrorista a Israel. Por mais que Tel Aviv não reconheça a competência do TPI, uma série de países que reconhecem já disseram que mandariam Bibi ao xilindró, como a própria Alemanha, mesmo discordando da prisão.

Não há falsa equivalência no pedido, como reclamaram os Estados Unidos, que vêm sendo fiador da carnificina em Gaza. Israel foi sim alvo de um ataque terrorista abominável, mas decidiu optar pelos crimes de guerra e contra a humanidade como resposta. O resultado, até agora, são mais de 36 mil mortes.

O pedido de prisão contra Netanyahu não vai resolver a guerra porque ele não será preso em Israel, nos EUA e em uma série de países. Mas sem uma sinalização forte de que o mundo repudia a sua conduta genocida, ela vai continuar acontecendo sem causar um mínimo de preocupação.

Reafirmar a importância do reconhecimento de um Estado palestino, como vem sendo feito pela maioria esmagadora da Assembleia Geral das Nações Unidas, é importante. Mas deixar claro que o primeiro-ministro de Israel é um fora da lei, também é. Se o pedido de Khan não for acatado, o sistema internacional será cúmplice dos ataques. Não terá dado a ordem de queimar crianças, mas consentirá com a barbárie diante do silêncio com beicinho de desaprovação.

Leonardo Sakamoto

OUTRAS NOTÍCIAS