Deputada do PSOL reconhece crime eleitoral em gravação; material faz parte do dossiê elaborado por ex-funcionários

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Em reunião com dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Sindsprev-RJ), a deputada estadual Janira Rocha (PSOL) admitiu que cometeu crime eleitoral com recursos da entidade. A campanha de Janira e pelo menos outros três candidatos da legenda no Rio de Janeiro utilizaram dinheiro do sindicato, prática proibida pela legislação eleitoral.

 

“Todo mundo sabe que foi dinheiro para a minha campanha e para todas as outras campanhas. […] Isso não pode porque é um crime. É um crime tanto do sindicato quanto um crime nosso. Crime eleitoral”, reconheceu a socialista, afastada da presidência regional do PSOL-RJ. De acordo com a Folha, a fala está gravada e faz parte do material que ex-funcionários da deputada queriam vender por R$ 1,5 milhão. O dossiê foi apreendido pela polícia.

 

A Procuradoria Regional Eleitoral informou que investigará o caso. A assessoria de Janira disse que ela não falará até ter acesso integral aos documentos. O sindicato negou a prática. Em fevereiro do ano passado, a deputada assumiu em seu perfil no Twitter ser a voz feminina flagrada em gravações telefônicas a tramar contra o fim da greve da Polícia Militar (PM) na Bahia.

 

Fonte: Redação/ Bahia Notícias

OUTRAS NOTÍCIAS