Human Rights Watch: Bolsonaro deu carta branca para destruir Amazônia e polícia matar

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

A 30ª edição do Relatório Mundial da organização internacional Human Rights Watch dedica nove de suas 652 páginas ao Brasil.

No documento, a ONG sustenta que o governo de Jair Bolsonaro deu “carta branca” ao desmate ilegal da Amazônia e incentivou a letalidade policial.

A ofensiva de Bolsonaro contra a imprensa, a exaltação de torturadores – como o sanguinário Brilhante Ustra – e a negação dos crimes da ditadura também foram citados pela ONG como exemplos de como o Brasil “assumiu uma agenda contra os direitos humanos, adotando medidas que colocam em maior risco as populações já vulneráveis”.

Para a ONG, porém, o Judiciário e o Congresso Nacional foram responsáveis por evitar que algumas dessas políticas fossem executadas.

“O governo Bolsonaro deu carta branca a essas redes (de desmatamento ilegal da Amazônia) ao cortar recursos e minar o poder das agências ambientais”, diz o relatório, antecipado pelo UOL.

Segundo a HRW, o desmatamento no Brasil cresceu 80% entre janeiro e meados de dezembro.

Ao mesmo tempo, o número de multas por desmatamento ilegal emitidas pelo Ibama, de acordo com o órgão, caiu 25% de janeiro até setembro de 2019, comparado com o mesmo período do ano anterior.

Em relação à letalidade policial, a ONG destaca que, desde que assumiu a presidência, Bolsonaro “tem incentivado a polícia a executar suspeitos”.

O documento menciona a declaração de Bolsonaro, em agosto de 2019, de que criminosos deveriam “morrer na rua igual baratas”.

O texto critica, ainda, a proposta enviada pelo Governo Federal para o Congresso que previa o “excludente de ilicitude” (que permitiria que policiais que matassem por “escusável medo, surpresa ou violenta emoção” tivessem suas penas de prisão perdoadas).

Esta é a verdadeira do Brasil que a grane mídia se omite em divulgar.

Brasil / Human Rights Watch

OUTRAS NOTÍCIAS