Tempo - Tutiempo.net

Lula propõe no G7 cúpula de paz com participação de Rússia e Ucrânia mediada por Brasil e China

Proposta de negociação de paz entre Rússia e Ucrânia com mediação do Brasil e China

Convidado pela primeira-ministra italiana Giorgia Meloni para participar da cúpula do G7, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs durante discurso no encontro desta sexta-feira (14) uma reunião entre Rússia e Ucrânia para encerrar o conflito. A declaração ocorreu horas após o presidente Vladimir Putin anunciar uma proposta a Kiev.

Em meio à realização de uma conferência na Suíça sem a participação da Rússia para discutir a paz na Ucrânia, o presidente Lula sugeriu uma cúpula entre os dois países mediada por Brasil e China.

“Já está claro que nenhuma das partes conseguirá atingir todos os seus objetivos pela via militar. Somente uma conferência internacional que seja reconhecida pelas partes, nos moldes da proposta de Brasil e China, viabilizará a paz”, enfatizou Lula no discurso.

Na última quinta (13), o presidente brasileiro chegou a se reunir com a homóloga da Suíça Viola Amherd em Genebra, que solicitou mais uma vez a presença de Lula na cúpula prevista para este fim de semana, o que foi rejeitado.

“O presidente cumprimentou a Suíça pela organização da conferência, mas reiterou a posição do Brasil, de que uma solução para a crise demandaria a participação de representantes dos dois lados do conflito. E reiterou o interesse do Brasil de participar e ajudar a viabilizar discussões de paz entre as duas partes”, justificou o governo na data.

Durante visita do assessor da Presidência da República para Assuntos Internacionais, Celso Amorim, a Pequim no fim de maio, Brasil e China assinaram um documento com pontos em comum entre os dois países para a solução do conflito na Ucrânia.

Conforme o texto, foi proposta a realização de uma conferência internacional reconhecida por Kiev e Moscou, além de defender o diálogo.

Em junho, Vladimir Zelensky chegou a questionar a atuação de Pequim e acusou o país de trabalhar com Moscou, mas sem citar o Brasil. Na sequência, o chanceler chinês Wang Yi afirmou que pelo menos 26 nações já concordaram em aderir aos entendimentos comuns de Brasília e Pequim, enquanto outros 45 países deram “retorno positivo” às ideias.

Horas antes do discurso de Lula na cúpula do G7, o presidente Vladimir Putin apresentou uma proposta para encerrar completamente o conflito, além de enfatizar que a Rússia está pronta para sentar na mesa de negociações.

Entre os pontos solicitados por Moscou, estão a renúncia da Ucrânia em aderir à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), desmilitarização e desnazificação do país, e a retirada das tropas ucranianas das novas regiões russas.

Sputnik/Reuters

OUTRAS NOTÍCIAS