“Necropolítica” de Bolsonaro é destaque no parlamento europeu

Eurodeputados criticaram duramente o presidente Jair Bolsonaro.

O objetivo da sessão no Parlamento Europeu era discutir o impacto da disseminação do coronavírus na região e as possibilidades de ajuda da União Europeia aos esforços dos governos latino-americanos.

Em particular, as discussões buscaram analisar a relação entre o alto nível de desigualdades sociais e econômicas no continente e o avanço da pandemia, mas as denúncias contra o presidente brasileiro dominaram a sessão.

“Por ação ou omissão, a necropolítica de Bolsonaro constitui um crime contra a humanidade que deve ser investigado“, disse em plenário o eurodeputado espanhol Miguel Urbán Crespo, do partido de esquerda Podemos.

“Incubadora de cepas”
Outro eurodeputado espanhol, Jordi Solé, do partido Esquerda Republicana da Catalunha, alertou que a gestão da crise sanitária pelo presidente brasileiro pode “transformar o país numa incubadora de novas cepas” do coronavírus.

A portuguesa Isabel Santos, do Partido Socialista, disse que a situação no Brasil é mais difícil por causa da “negação irracional” de Bolsonaro, a quem acusou de fazer “de tudo para que a população não se vacine“.

“Não é um erro, mas uma irresponsabilidade deliberada“, acrescentou.

Críticas do bloco conservador
Os parlamentares conservadores que participaram do debate também fizeram críticas, mas muitos deles evitaram citar o nome do presidente brasileiro.

Para o português Paulo Rangel, do centrista Partido Social Democrata, o impacto da pandemia foi agravado “por erros políticos e visões negacionistas, como é o caso do Brasil“.

Já o legislador hispano-venezuelano Leopoldo López, do conservador Partido Popular, afirmou que é necessário “destacar a negação da seriedade por parte dos dirigentes de alguns dos países com maior população“.

“O negacionismo de Bolsonaro ajuda o vírus a matar “, afirmou Izaskun Bilbao, do Partido Nacionalista Basco, que integra o bloco liberal do Parlamento Europeu.

A Comissária Europeia para a Estabilidade Financeira, Mairead McGuiness, ressaltou na sessão plenária que a União Europeia já destinou 38 milhões de doses de vacina contra a covid-19 a 30 países latino-americanos através do consórcio Covax Facility, um programa apoiado pelas Nações Unidas que visa um acesso mais igualitário aos imunizantes.

As críticas dos eurodeputados a Bolsonaro ocorrem na semana em que o Senado brasileiro instalou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação do governo em meio à pandemia e no dia em que o país superou as 400 mil mortes em decorrência da covid-19.

Deutsche Welle

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS