O “bloco do Triplo X” já pode sair. Moro já fez seu Carnaval no Guarujá

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
A comissão de frente de Sérgio Moro

Dias antes, soltara Renata Pereira Brito e Ricardo Honório Neto que, como os outros, haviam sido presos no  dia 27 de Janeiro e todos, espalhafatosamente, conduzidos a Curitiba, com direito à exibição aos lado de policiais de negro com suas alegorias e adereços bélicos, contra os dois casais de detidos, com sua evidente capacidade de confronto físico.

Ah, assim, com direito também a uma foto com o “japonês da Federal”, acusado e preso por contrabando e que agora é o herói da moralização.

A pergunta inevitável é: porque tanto espalhafato com algo que poderia ter sido feito com intimações para depor e uma simples busca e arpeensão de documentos?

Ora, é carnaval!

Do nome de “Triplo X” às imagens dos presos sendo conduzidos, tudo é parte daquilo que o Dr. Moro chama, em  suas teorias sobre a Operação Mãos Limpas italiana, em que faz a mais desavergonhada apologia da ilegalidade dos vazamentos do que deveria ser sigiloso, embora com o cuidado de não aparecerem seus autores, nas palavras “morais” que podem ser lidas no DCM:

“Os responsáveis pela operação mani pulite ainda fizeram largo uso da imprensa.

Com efeito: para o desgosto dos líderes do PSI, que, por certo, nunca pararam de manipular a imprensa, a investigação da ‘mani pulite’ vazava como uma peneira.

Tão logo alguém era preso, detalhes de sua confissão eram veiculados no ‘L’Expresso’, no ‘La Republica’ e outros jornais e revistas simpatizantes.

Apesar de não existir nenhuma sugestão de que algum dos procuradores mais envolvidos com a investigação teria deliberadamente alimentado a imprensa com informações, os vazamentos serviram a um propósito útil.”

Moro faz a espetacularização com objetivos que, a esta altura, são tão disfarçados quanto o “Triplo X” de operação  evidencia seu alvo no triplex de que Lula é “acusado” de ter querido comprar.

E, como o espetáculo, nestes dias, é o Carnaval, Moro fez a sua folia, com a devida cobertura dos “jornais e revistas simpatizantes”, além da TV.

Que se reproduzem em sandices na internet que deixam a população tão “bem informada” que, ontem, tive de aguentar um sujeito no posto de gasolina dizer que o desconto no pagamento que as operadoras de cartão de crédito fazem do recebido pelo comerciante era “a Dilma que tomava”, que a lancha do dono da rede Manchete era do “Lulinha” e que ele, além da Friboi, tinha também comprado a operadora de telefonia Oi quando esta foi privatizada.

O  Doutor Moro, quem diria – ele, com aquela cara ascética – virou um carnavalesco.

Fernando Brito

 

OUTRAS NOTÍCIAS