Tempo - Tutiempo.net

O Meio Ambiente e a Luta de Classes

Desastre ignorado

Desde final de agosto, acompanhamos o drama da presença de óleo no litoral do país, sobretudo no nordeste. a sua expansão já atinge quase toda a costa litorânea do país.

Esse, infelizmente, não foi o único crime ambiental ocorrido esse ano, vale lembrar o crime cometido pela Vale em Brumadinho e das extensas queimadas que ainda continuam ocorrendo na floresta Amazônica.

São toneladas de óleo denso encobrindo parte do litoral do nosso país, matando espécies marinhas como tartarugas, peixes, corais, etc., e colocando em risco a vida da população. Frente a isso, mais uma vez, o Governo Federal quase nada fez, ou melhor se omitiu diante dessa tragédia em nosso meio ambiente. Não atuaram nem mesmo para a retirada do óleo das praias.

Ao contrário, só depois de 41 dias desse crime foi que o governo disse estar fazendo alguma coisa, demonstrando total indiferença e nenhuma disposição para resolver o problema.

O descaso do governo Bolsonaro com essa pauta é tão grande que, no início do ano, o presidente editou o decreto 9.759/2019, que acabou com os conselhos, comissões e fóruns relacionados à agenda ambiental, impossibilitando assim a participação da sociedade civil em espaços importantes de discussão para soluções dos problemas ambientais do país.

Diante desse cenário, quem efetivamente se preocupou em retirar o óleo das praias foi a própria população, que se revoltou diante do descaso do governo e colocou em risco a sua própria vida pra efetuar a limpeza de seu ambiente de pesca, lazer e moradia.

Apesar de o óleo ser tóxico, diversas pessoas se voluntariaram a realizar a limpeza das praias, mesmo sem luvas e botas apropriadas.

Interpretar esse ato como algo louvável e bonito, além de romantizar uma tragédia, tira a responsabilidade do governo Bolsonaro, que nada faz, enquanto perdeu tempo acusando sem provas outros países.

A questão ambiental não está descolada da luta pelo socialismo, porque ela própria é incompatível com o sistema capitalista, sendo os pobres aqueles que mais são atingidos com os problemas ambientais nesse país e no mundo.

Por que?

Porque as grandes fábricas poluidoras se localizam em países que oferecem mão de obra mais barata e que possuem menos direitos trabalhistas, enviando para cá todos os riscos ambientais como contaminação, poluição do solo e da água e liberação de substâncias tóxicas no ar;

porque a aplicação de agrotóxico é realizada por trabalhadores rurais e os atingem diretamente em curto prazo;

porque o desmatamento e a contaminação de rios atingem aqueles que dependem diretamente desses recursos, como ribeirinhos e indígenas; porque o secamento de rios inviabiliza a agricultura, gerando uma massa de camponeses que são obrigados a vender a sua força de trabalho a empresas;

porque as chuvas e enchentes nas grandes cidades vitimizam aqueles que moram nos morros; porque quando falta água é o pobre que carrega balde na cabeça, o rico compra.

Tudo isso está relacionado à questão ambiental, que é também uma luta transformadora que precisa ser feita, sendo necessário combater a lógica de que apenas a cobrança aos chefes de Estado irá resolver o problema.

A mudança climática é alarmante, mas no nosso cotidiano sentimos efeitos muito mais brutais e urgentes a resolver.

Portanto, a luta em favor do meio ambiente deve ser necessariamente uma luta de classe.

Bianca Suzy

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS