O RENOMADO PEPE ESCOBAR AFIRMA QUE O BRASIL É ALVO DE UMA GUERRA HÍBRIDA

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
PAÍS VIVE UMA GUERRA HÍBRIDA

Correspondente do Asia Times, o jornalista Pepe Escobar, um dos mais renomados especialistas do mundo em política internacional, diz que o fato geopolítico mais importante do mundo é a aproximação entre Rússia e China, numa aliança que contempla também o Irã, que desloca o eixo geopolítico global para a chamada Eurásia.

“Os Estados Unidos ainda estão em estado de negação e a aceitação ainda vai demorar décadas para acontecer”, diz ele.

O declínio do império americano, diz Escobar, ajuda a explicar a atual tragédia brasileira.

“O Brasil foi alvo de uma guerra não convencional, a chamada guerra híbrida, que prescinde de tanques e canhões, mas conta com o apoio de elementos internos, estrategicamente colocados no Poder Judiciário, para realizar o trabalho que antes era feito pelos militares”, afirma.

Segundo ele, o Brasil ainda será alvo de estudos internacionais. “Não foi a apenas a derrubada de um governo, mas a desestruturação completa de um País”.

Escobar afirma que o Brasil viveu o auge de seu prestígio internacional no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com o chanceler Celso Amorim.

“Hoje, há uma submissão completa aos Estados Unidos”, afirma. Segundo ele, o golpe começou a ser construído a partir da espionagem realizada pela NSA – agência de segurança americana – contra a presidente Dilma Rousseff e a Petrobras.

“Tudo isso se inseria numa estratégia complexa, de desestruturar o Brasil por dentro”, afirma. “O conceito de guerra híbrida foi inventado por think tanks americanos. Nela, o fator militar não é o mais importante, mas a junção de fatores judiciários, midiáticos, parlamentares, políticos e empresariais. Depois disso, vem uma investigação criminal infinita, como a Lava Jato, que executa o trabalho”, afirma.

Nesta sexta-feira, a defesa do ex-presidente Lula denunciou ligações informais entre o juiz Sergio Moro e autoridades estadunidentes (leia aqui). Segundo Escobar, uma das motivações para o ataque dos Estados Unidos ao Brasil foi a possibilidade de que, com governos populares, o País emergisse à condição de potência.

OUTRAS NOTÍCIAS