O SIGNIFICADO DO DISCURSO DE LULA NA FESTA DO PT

Lula demorou mais de dez anos para reagir a uma mídia que tenta freneticamente destruí-lo

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
FESTA ANIVERSÁRIO PT

Seu discurso ontem nos 36 anos do PT foi talvez o mais beligerante desde que ele ascendeu ao poder, cheio de dedos e de concessões para evitar que a plutocracia fizesse com ele o que fizera com Getúlio e Jango.

Não existe um grande partido de oposição, afirmou. Existe o partido da Globo, o partido da Veja, o partido dos jornais, todos unidos numa missão: dar um golpe.

Estes partidos exercem um controle sinistro sobre o Ministério Público e sobre a PF. (Isso nas barbas do ministro da Justiça, um dos mais inoperantes da história do Brasil, se não o mais.)

A ironia é que quanto mais Lula for agressivo tanto mais ele será atacado, porque as grandes empresas de mídia têm pavor da ideia de que o governo federal acabe com mamatas como as multimilionárias verbas publicitárias e como o olhar cego de Brasília para brutais sonegações.

Compare.

O ministro da Justiça de Geisel, Armando Falcão, observou num despacho para o chefe que a imprensa não “vive e nem sobrevive” sem o governo. É uma dependência visceral, parecida com a de recém-nascido diante da mãe.

A imprensa necessita desesperadamente de publicidade e outros “favores especiais”, para usar uma expressão empregada por Roberto Marinho para extrair vantagens dos militares em troca de apoio editorial.

Falcão chamava tudo isso de “armas incríveis”.

O que fez Lula (como Dilma depois) com estas “armas incríveis”?

Nada.

Aécio no governo de Minas matou de fome a mídia que se opunha a ele. Alckmin faz o mesmo em São Paulo.

Não que isso seja bonito. É horrível aliás. Mas se este é o jogo, ou você joga ou desiste dele.

Num mundo menos imperfeito, vigoraria um capitalismo real na mídia,  em que as companhias dependeriam apenas de si próprias e de sua competência, e não do dinheiro do contribuinte. Mas não é assim. Nunca foi assim.

Olhemos para o quadro sob termos práticos: nenhum jornal, nenhuma revista é obrigado a fazer jornalismo equilibrado, isento, imparcial. Você não pode forçar os Marinhos, por exemplo, a cobrir a meia tonelada de pasta de cocaína encontrada no helicóptero de um amigo de Aécio.

O mercado – os leitores — se incumbe de premiar ou castigar o comportamento editorial. E uma Justiça isenta – não é o caso nacional – puniria calúnias, difamações, denúncias sem prova e coisas do gênero.

Mas também governo nenhum é obrigado a anunciar em qualquer veículo que seja. Se você considera, e com copiosas razões, que a emissora X ou o jornal Y agem como um partido interessado em destruir você, o que o leva a anunciar neles? Impulso suicida?

Em 12 anos, Lula e Dilma colocaram 6 bilhões de reais em propaganda na Rede Globo. Isto já em pleno vigor da Era Digital, que transformou a tevê numa mídia-dinossauro. Qual o sentido disso?

O momento atual é propício a rever a dependência abjeta da imprensa em relação ao governo.

É urgente um choque de capitalismo. Já é tempo de Marinhos, Civitas e Frias deixarem de ser servidos por um Estado-Babá.

Caso Lula se reeleja em 2018, ela deveria ser uma de suas tarefas prioritárias: forçar as empresas jornalísticas a enfrentar uma coisa que elas abominam: o capitalismo real, em que você floresce ou desaba de acordo com seu talento – e não mediante injeções de dinheiro público.

Paulo Nogueira

OUTRAS NOTÍCIAS