Pesquisa confirma 81% querem a saída de Cunha

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
81% querem a cassação de Cunha

Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha nos dias 25 e 26 de novembro revela que 81% dos brasileiros acham que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deveria ter o mandato cassado.

O parlamentar é investigado pela Operação Lava Jato. O banco suíço enviou toda documentação comprovando que ele e a família têm conta  bancária na Suíça. Além de responder a acusação de ter

 recebido US$ 5 milhões de propina.

Cunha mentiu ao Congresso, em depoimento da CPI da Petrobras, alegando que não tinha dinheiro no exterior, razão pela qual é processado no Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar.

Ele nega que tenha cometido irregularidades.

Pra ele mentir não é irregularidade nem quebra de decoro parlamentar.

No levantamento, 7% são contra a cassação do deputado, enquanto 4% são indiferentes e 9% não souberam responder.

Na estratificação, 90% dos eleitores com nível superior de escolaridade querem a cassação de Cunha, percentual idêntico ao apurado entre o segmento dos mais ricos, aqueles com renda familiar mensal acima de dez salários mínimos.

A taxa de eleitores favoráveis à cassação do peemedebista é alta mesmo entre os simpatizantes do PMDB identificados pela pesquisa: 81% deles defendem este caminho.

Cunha foi motivo de vários protestos nas últimas semanas, convocados principalmente por organizações femininas, em repúdio à pauta conservadora do parlamentar, como o projeto que cria normas que dificultariam o aborto nos casos previstos em lei.

A imagem do Congresso Nacional também está muito deteriorada. A taxa dos que avaliam o desempenho de deputados e senadores como ruim ou péssima deu um salto para 53%. Ela vinha caindo desde o início do ano, de 50% para 42%.

Esse patamar de desaprovação ao Congresso é o segundo pior desde abril de 1993, quando o Datafolha fez a pergunta pela primeira vez. Em setembro daquele ano, 56% anotaram ruim ou péssimo.

B247/cljornal

OUTRAS NOTÍCIAS