Quase metade dos secretários de Wagner deverá deixar os cargos até o final de dezembro

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Quase metade dos secretários estaduais do governo da Bahia, além de outros dez políticos ocupantes de cargos no Executivo estadual terão que deixar as suas funções até o próximo dia 31 de dezembro e se concentrar apenas nos preparativos para a disputa de novos cargos nas eleições em 2014.

 

De acordo com reportagem do jornal A Tarde, apesar de a legislação eleitoral determinar que a desincompatibilização seja feita seis meses antes do pleito, marcada para o dia 5 de outubro do ano que vem, o governador Jaques Wagner (PT) já comunicou que quem pretende pleitear um mandato terá de entregar o cargo até o final deste ano.

 

O aviso foi dado na última reunião do conselho político. Ao sugerir a antecipação da saída de dez dos 26 chefes de pastas e demais integrantes da administração estadual, o governador justificou que a intenção seria “preservar o equilíbrio da disputa eleitoral”. Isso porque, entre os aliados existiriam queixas de que os potenciais postulantes estariam a usar a máquina pública para turbinar as futuras candidaturas.

 

O líder baiano, segundo revelou um dos presentes à reunião do colegiado, teria dito que a reclamação maior partiu de parlamentares incomodados e revoltados com a “invasão” de secretários em seus intocáveis redutos políticos no interior do estado. Entre os secretários que já confirmaram que vão disputar a Câmara Federal, segundo informou o secretário de Relações Institucionais, Cezar Lisboa, estão os secretários da Saúde, Jorge Solla; e de Comunicação, Robinson Almeida.

 

Também já confirmaram que vão concorrer a uma das cadeiras da Assembleia Legislativa (AL-BA) os secretários da Agricultura, Eduardo Salles; da Integração Regional, Wilson Brito (PP); e da Ciência e Tecnologia, Paulo Câmara (PDT). Ainda sem definição e na condição de potenciais postulantes está a secretária de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza, Moema Gramacho (PT), que poderá tentar uma vaga no Legislativo baiano.

 

Ainda conforme a publicação, o secretário do Turismo, Domingos Leonelli (PSB), também não fechou questão, mas pode disputar a Câmara Federal. Cícero Monteiro, do Desenvolvimento Urbano, é potencial candidato a deputado federal. Almiro Sena (PRB), da Justiça; Ney Campello (PCdoB), da Secopa; e Elias Sampaio (PT), da Promoção da Igualdade, poderão tentar um mandato na AL-BA.

Fonte: Bahia Notícias

OUTRAS NOTÍCIAS