Tempo - Tutiempo.net

Renan assume afirmando que CPI será contra o culto à morte e à mentira

SENADOR RENAN CALHEIROS ASSUME RELATORIA DA CPI DA COVID

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) usou o seu discurso de posse como relator da CPI da Pandemia para afirmar que “vivemos o momento mais trágico da nação brasileira” e que o colegiado irá atuar “contra a agenda da morte e da mentira”.

Disse ainda que “nossa cruzada será contra a agenda da morte e o negacionismo” e que “os inimigos dessa relatoria são a pandemia e os que se aliaram ao vírus e colaboraram com este morticínio”.

O relator da CPI anunciou que os culpados serão responsabilizados:

“Há responsáveis, há culpados, por ação, omissão, desídia ou incompetência e eles serão responsabilizados. Essa será a resposta para nos reconectarmos com o planeta. Os crimes contra humanidade não prescrevem jamais e são transnacionais”.

O senador defendeu a democracia e enviou um recado às Forças Armadas: “militares nos quartéis, médicos na saúde”. O emedebista também fez um contraponto às declarações de Jair Bolsonaro de que pretende indicar alguém “terrivelmente evangélico” para uma vaga no Supremo Tribunal Federal, ao afirmar que o Brasil possui uma “Constituição terrivelmente democrática”.

Renan  afirmou que crimes contra a humanidade não prescrevem e relembrou os casos dos ditadores Slobodan Milosevic e Augusto Pinochet:

Ele disse também que a comissão será “um santuário da ciência, do conhecimento e uma antítese diária e estridente ao obscurantismo negacionista e sepulcral, responsável por uma desoladora necrópole”.

Antes, em seu primeiro discurso como relator, Renan criticou o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, mas sem citá-lo diretamente.

Ele comparou a nomeação de Pazuello e a militarização do Ministério da Saúde durante a pandemia ao envio de um infectologista para comandar as tropas em uma guerra.

Renan também afirmou que, ao contrário do que aconteceu na Lava Jato, a CPI não fará uso de nenhum “expediente tenebroso” durante as investigações.

“Não seremos Dallagnol nem Sérgio Moro aqui”, assegurou, acrescentando que “Não faremos power point”. “Daremos um basta à mentira que sufocou a sociedade brasileira nos últimos tempos”, disse mais à frente.

“O que estamos discutindo aqui é o direito à vida, e não quem é de esquerda ou de direita”, ressaltou.

Foi um discurso que praticamente sepultou o governo Bolsonaro e deu razão ao medo do Planalto por sua posse na relatoria.

Brasil

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS