Tempo - Tutiempo.net

Conselho Municipal debate politicas públicas em BH

foto: divulgação

Na tarde da última quarta-feira, dia 3/10, a Secretaria Municipal de Cultura, promoveu, na sede da Prefeitura de Belo Horizonte, a 69ª Reunião do Conselho Municipal de Cultura.

Estiveram presentes 31 conselheiros e nove ouvintes para debater questões relacionadas às políticas culturais do Município e os projetos estratégicos da Secretaria e da Fundação Municipal de Cultura, com destaque para o Circuito Municipal de Cultura e o projeto de formação artística e cultural, incluindo os 20 anos da Arena da Cultura e o Plano de Fortalecimento da Cultura e do Turismo para a região da Pampulha.

A reunião foi aberta pela presidente da Fundação Municipal de Cultura, Fabíola Moulin, que apresentou propostas do Circuito Municipal de Cultura, projeto com caráter inovador que tem o início das atividades previsto para o primeiro semestre de 2019.

O programa visa descentralizar e democratizar o acesso à cultura, levando novas iniciativas para as nove regionais da cidade, além de potencializar apresentações artísticas e ações de formação na capital.

“As diversas atividades culturais promovidas pela Prefeitura por meio da Secretaria e da Fundação serão integradas ao Circuito e temos a pretensão de ampliar o atendimento nos territórios e a área de atuação para além dos equipamentos da Fundação Municipal de Cultura”, afirmou.

Arena da Cultura

Dados sobre os avanços do programa Arena da Cultura, como o crescimento em cerca de 35% do número de atividades oferecidas no período de dois anos, foram tema da exposição da diretora de Promoção de Direitos Culturais: Acesso, Protagonismo e Formação, Bárbara Bof.

O Arena da Cultura, do qual a Escola Livre de Artes faz parte, completou 20 anos em 2018 com a perspectiva de ampliação das ações e do número de vagas ofertadas. O programa tem como base a inserção cultural por meio de um processo amplo de experiências de formação artística e cultural pública e gratuita.

Suas características principais são a descentralização das atividades, diversidade de linguagens artísticas e diversidade de público participante.

Finalizando as apresentações da reunião do Conselho, a gerente do Conjunto Moderno da Pampulha, Janaína França, destacou algumas estratégias para a gestão local e o fortalecimento da cultura e do turismo na Pampulha, declarada Patrimônio Cultural da Humanidade em 2016.

Esse plano estratégico tem como objetivo auxiliar na realização de ações para o monitoramento do nível de qualidade da água na lagoa, proteção, preservação e recuperação dos jardins e das edificações que compõem o Conjunto, a promoção de atividades culturais, artísticas e educativas e divulgação da região.

O Conselho ainda votou a moção que manifestava apoio à nota de repúdio à criação da Agência Brasileira de Museus (Abram) e extinção do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) após o incêndio do Museu Nacional, no início do mês de setembro.

PBH

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS