Médica que divulgou vídeos com pele e gordura de pacientes é interditada

A cirurgiã plástica Caren Trisoglio Garcia

A cirurgiã plástica Caren Trisoglio Garcia teve seu registro profissional suspenso pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp).

Caren atende em Ribeirão Preto (SP) e foi denunciada por compartilhar vídeos com pedaços de pele e sacos com gordura humana de seus pacientes.

A médica foi interditada na quinta-feira (8), mas a informação só passou a constar no site do Cremesp no sábado (10).

Em nota, a entidade afirmou que aguarda a publicação da medida no Diário Oficial da União e informou que as investigações sobre a conduta da cirurgiã tramitarão sob sigilo.

O CRM de Caren está inativo e, portanto, ela não pode atender pacientes devido a uma interdição cautelar, que é válida enquanto o Cremesp investiga sua conduta.

Caso sejam constatadas irregularidades, a cirurgiã pode ter o registro cassado.

Antes da manifestação do Cremesp, a médica já havia sido suspensa por seis meses das atividades da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

O nome dela foi retirado das listas oficiais de busca da SBCP, assim como de publicações da entidade, como a revista Plastiko’s.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica analisou e considerou antiéticos e sensacionalistas os vídeos que expõem materiais como pele e gordura humana enquanto a cirurgiã dança, sorri e faz coreografias.

Caren, que compartilha sua rotina de trabalho na internet, possui 636 mil seguidores e 11 milhões de curtidas no TikTok.

 Segundo a SBCP, a médica infringiu cinco artigos do regimento interno da entidade, que proíbem o compartilhamento de imagens de partes do corpo ou de pré ou pós-operatórios, mesmo com autorização expressa do paciente.

A entidade afirmou que a médica também desrespeitou artigos que proíbem o profissional de apresentar resultados de cirurgias ou se autopromover em meios de comunicação com objetivo de conquistar clientes.

A SBCP disse ainda que a cirurgiã anunciou técnicas que supostamente lhe atribuem capacidade privilegiada na realização de determinados procedimentos cirúrgicos, o que também é vedado pelo regulamento interno da entidade.

RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS