Bebê recebeu doações de quase 1 em cada 10 belgas.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Pia, de nove meses, tem atrofia muscular espinhal (AME), condição genética que impede o desenvolvimento adequado dos músculos e, na sua versão mais grave, costuma causar a morte antes dos dois anos de idade. — Foto: Inneke Gebruers

Quase um em cada dez belgas colaborou com a campanha de um casal para arrecadar 1,9 milhão de euros (cerca de R$ 8,6 milhões) e salvar a vida de seu bebê.

Pia, de nove meses, tem atrofia muscular espinhal (AME), condição genética que impede o desenvolvimento adequado dos músculos e, na sua versão mais grave, costuma causar a morte antes dos dois anos de idade.

Ela precisa tomar um medicamento chamado Zolgensma, conhecido como o remédio mais caro do mundo.

“Posso voar em vez de engatinhar”, diz uma mensagem no site TeamPia (“Time Pia”, em tradução livre), criado para aumentar a conscientização sobre a doença e arrecadar fundos para o tratamento.

A família, que mora em Antuérpia, arrecadou dinheiro suficiente para cobrir o custo de uma dose única da medicação — que ainda não foi aprovada na Europa, mas está disponível nos EUA.

A Bélgica tem uma população de 11,4 milhões de habitantes — e mais de 950 mil contribuíram com a campanha, segundo Ellen De Meyer, mãe de Pia.

Pia, de nove meses, tem atrofia muscular espinhal (AME), condição genética que impede o desenvolvimento adequado dos músculos e, na sua versão mais grave, costuma causar a morte antes dos dois anos de idade. — Foto: Inneke Gebruers
Pia, de nove meses, tem atrofia muscular espinhal (AME), condição genética que impede o desenvolvimento adequado dos músculos e, na sua versão mais grave, costuma causar a morte antes dos dois anos de idade. — Foto: Inneke Gebruers

O dinheiro foi arrecadado por meio de um serviço de doação via SMS — 2 euros (cerca de R$ 9) por mensagem de texto — lançado há poucos dias, e por meio da plataforma digital de arrecadação de fundos GoFundMe.

“É impressionante que um país possa se unir para algo assim”, afirmou De Meyer à emissora belga VRT News.

“O fato de isso acontecer em dois dias é muito louco”.

O que vai acontecer agora?

A família disse à BBC que está tentando agora que a empresa de telecomunicações reduza as taxas de serviço cobradas usualmente pelas mensagens de texto.

De Meyer afirmou que o dinheiro arrecadado será transferido para uma conta bancária criada para Pia dentro de 40 dias, e que a família viajará em seguida para os EUA, onde a menina fará o tratamento.

A atrofia muscular espinhal é uma condição genética que afeta os nervos da medula espinhal, enfraquecendo os músculos e dificultando a movimentação, respiração e deglutição dos pacientes.

A doença pode ser de quatro tipos e se manifesta principalmente na infância — Pia nasceu em 27 de novembro e foi diagnosticada com EMA tipo 1 em maio.

O tipo 1 é o mais agressivo, e os bebês que sofrem desta condição têm uma expectativa de vida de até dois anos.

Apesar de não ter cura, existem medicamentos que ajudam a neutralizar os efeitos da doença e, dentre eles, o mais revolucionário é o Zolgensma.

No site TeamPia, a família publicou uma mensagem destacando a necessidade do novo tratamento “milagroso”.

“Um medicamento maravilhoso foi inventado, chamado Zolgensma. É uma terapia genética, administrada de uma vez só, que vai inserir [o gene ausente] no meu DNA”, explica a postagem, escrita em nome de Pia.

“Os primeiros resultados deste medicamento são muito promissores. Eu poderia levar uma vida longa e bonita, em que poderia até aprender a andar, ou pelo menos ser mais independente.”

Por que a medicação é tão cara?

O tratamento, que envolve uma única dose de Zolgensma administrada por injeção, foi testado com sucesso em algumas crianças nos EUA.

Mas, embora tenha trazido esperança a muitos pais, seu preço provocou uma onda de críticas à empresa farmacêutica dona da patente, a Novartis.

A companhia afirma que o custo do tratamento é alto porque se trata de “uma terapia única e transformadora para uma doença extremamente rara”.

“Estamos cientes da Pia e dos esforços para facilitar seu acesso ao tratamento”, afirmou a Novartis em comunicado divulgado na terça-feira.

“Também reconhecemos que pacientes e famílias em todo o mundo estão interessados em obter acesso ao tratamento o mais rápido possível.”

A medicação não está disponível na Europa, depende ainda da aprovação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

A ministra da Saúde da Bélgica, Maggie De Block, afirmou que, embora a medicação fosse extremamente cara, as negociações sobre o custo não seriam realizadas até que recebessem a aprovação europeia.

BBC

OUTRAS NOTÍCIAS