Tempo - Tutiempo.net

Infectologista condena decisão de Queiroga sobre fim da pandemia: “Quem decreta é a OMS”

Médico Infectologista Dr. Marcos Caseiro

Após o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, decretar o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN), com o relaxamento de uma série de medidas contra o avanço da Covid-19, o DCM procurou o infectologista Marcos Caseiro para esclarecimentos sobre os riscos que a decisão pode trazer para a saúde dos brasileiros.

Desde o mês passado, o presidente Jair Bolsonaro (PL) vem pressionando o ministro para anunciar o fim da pandemia no país.

Por isso que, segundo o doutor Marcos, a medida do governo negacionista já era esperada.

Ele lembrou que, na última quarta-feira (13), a Organização Mundial da Saúde (OMS), se reuniu e decidiu que a Covid-19 ainda é uma realidade e não deve ser rebaixada para “endemia”.

O médico destaca que há uma nova cepa do vírus, a BA.2, que vem se espalhando na Europa e nos EUA desde janeiro e pode chegar ao Brasil.

Ele ressalta que há uma “desproporção de vacinação” no país, com vários estados com índice de imunização menor que 70%.

“É uma medida absolutamente populista, sem o menor embasamento científico”, afirma Caseiro, constatando que a decisão também está relacionada a questões políticas locais.

A Coronavac, vacina chinesa produzida em São Paulo e chamada por bolsonaristas de “vacina do Doria”, tem aprovação provisória, ao contrário das demais.

“No momento em que se decreta o fim da emergência sanitária, esse imunizante não pode ser mais usado”, diz ele.

“No meu ponto de vista, a decisão é totalmente equivocada e o governo quer criar um fato para que as pessoas gastem energia discutindo isso.

Quem decreta o fim da pandemia é a Organização Mundial da Saúde”, conclui o infectologista.

Davi Nogueira

Estamos sendo classificados por esse governo negacionista como boi de piranha.

Cljornal

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS