Tempo - Tutiempo.net

Ministério da Saúde aceitou garantias e prazos irregulares em compra da Covaxin

A CPI da Covid está investigando a garantia oferecida pela Precisa Medicamentos ao Ministério da Saúde no contrato de fornecimento de 20 milhões de doses da vacina Covaxin.

Segundo documentos obtidos pelo Globo, para fechar o acordo, a pasta pediu garantia de R$ 80,7 milhões à empresa, o equivalente a 5% dos R$ 1,6 bilhão do contrato, valor já empenhado pela pasta.

Segundo o ministério, a Precisa optou por uma fiança bancária como garantia, mas a apólice apresentada pela empresa foi emitida pelo Fib Bank, que não tem autorização do Banco Central para oferecer esse tipo de fiança — o que violaria decisões do Tribunal de Contas da União (TCU).

A obrigação da Precisa, intermediária da Bharah Biotech, de oferecer uma garantia relativa à venda das vacinas estava prevista no contrato assinado entre a empresa e o Ministério da Saúde em fevereiro deste ano.

A exigência seguia o que determina a lei nº8.666/93, que rege a maior parte das contratações de produtos e serviços na administração pública.

Entre as modalidades previstas na lei está a fiança bancária.

O problema é que a Precisa apresentou ao Ministério da Saúde uma “carta-fiança” emitida pelo Fib Bank, uma empresa sediada em Barueri, São Paulo, e que não tem autorização do Banco Central para funcionar como instituição financeira.

O Banco Central informou, por meio de nota, que a instituição não é regulada ou autorizada pelo órgão.

Ainda segundo o BC, as instituições reguladas e supervisionadas pelo órgão estão disponíveis em um portal de consulta mantido na internet.

Em consulta feita no site, o Fib Bank não aparece como instituição autorizada pelo BC para funcionar.

Agência Brasil

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS