Tempo - Tutiempo.net

Ministério prepara protocolo para uso de cloroquina contra Covid-19 e Queiroga avisa: vai virar política pública

Mundo discute vacina, Ministério da Saúde cloroquina

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a pasta está elaborando um protocolo autorizando médicos a receitarem medicamentos sem eficácia científica comprovada, como ivermectina e cloroquina, no tratamento contra  a Covid-19.

“Esse protocolo é um guia. Uma recomendação. E quando aprovado pela Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia) no  SUS, vai ser publicado no Diário Oficial e virar uma política pública”, disse Queiroga ao jornal O Globo.

Segundo o ministro, o protocolo atende um desejo de Jair Bolsonaro.

“É o desejo do presidente da República de que os médicos tenham a autonomia de tomar as melhores decisões para seus pacientes”, destacou Queiroga.

Bolsonaro defende o chamado tratamento precoce – com o uso de um coquetel de drogas sem eficácia comprovada – no combate à covid-19.

O uso destes medicamentos, é desaconselhado pelas autoridades internacionais de saúde, como A Organização Mundial ad Saúde (OMS) em função dos riscos de reações adversas que podem, em casos graves, levar à morte dos pacientes.

“Sabemos que a Covid foi descoberta no final de 2019 e, àquela época, não havia tratamento específico e ainda hoje não há tratamento específico. Várias medicações foram aventadas entre elas essas que você citou (cloroquina e ivermectina).”

O ministro também afirmou que hoje há consenso amplo de que essa medicação em pacientes com Covid grave, em grau avançado, não tem ação, embora em pacientes no estágio inicial, existem alguns estudos observacionais que mostram alguns benefícios desses dois fármacos que você citou.

Ele disse observacionais, quem,  como, onde foram feitas essas observações para se chegar a essa conclusão?

Ele concluí dizendo: é uma questão técnica que médicos avaliam e, aí, tomam a decisão em relação à prescrição”. Se a decisão for técnica e científica, jamais irão prescrever.

“Existem níveis de evidência científica. Níveis. Nível A: evidência construída com estudos randomizados. Então você tem vários estudos randomizados testando aquela conduta. Quando você tem vários estudos, e esses vários estudos são incluídos no que chamamos de meta-análise, isso gera evidência uma A, que é a melhor evidência científica que nós temos. Mas, na nossa prática médica, nem tudo é feito com base em evidência nível A. Na evidência Nível B, tem estudo randomizado metodologicamente bem feito. Isso é uma evidência Nível B. Evidência Nível C: é a opinião pessoal do médico. Você diz “doutor, o que você acha?”. Estudos observacionais são evidências mais fracas, nível C. Mas não quer dizer que não possam ser empregadas”, completou. disse ele. (Brasil)

Se ele acha ser a mais fraca, por que adotá-la, já sabendo que os efeitos serão nulos. Será uma questão financeira?

Não é pecado perguntar, mas  é preciso esclarecer, não com justificativas fabricadas, estamos  lidando com vidas humanas, ou não………………..?(cljornal)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS