Mulheres devem evitar treinar em excesso nos dias que antecedem a menstruação

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Nos dias que antecedem a menstruação, as mulheres tendem a sentir mais cansaço após a atividade física e podem ser mais propensas a inflamações decorrentes do excesso de treino. Quem afirma é o médico Hinnak Northoff, professor da Universidade Tübingen, na Alemanha.

Estudos mostram que homens são mais propensos a infecções e sepse (infecção generalizada) que as mulheres. Elas, por outro lado, têm maior propensão a doenças autoimunes, como lúpus e psoríase, condições em que o corpo encara certos componentes do próprio organismo como invasores.

Alguns estudos também sugerem que as mulheres apresentam mais risco de rejeição em caso de transplantes, mas isso ainda não está comprovado, já que há muitos fatores envolvidos na evolução desse tipo de paciente.

Pesquisas recentes mostram que as mulheres têm maior tendência a inflamações durante a fase lútea, ou seja, o 21º ao 27º dia do ciclo menstrual, em relação aos homens e a elas próprias na primeira fase do ciclo. “Apesar de as performances serem idênticas no 10º e no 25º dia, as mulheres reportaram uma percepção de estresse significativamente maior no 25º dia”, conta. “Creio que muitas já devem ter percebido isso.”

Northoff esclarece que ainda é cedo para cravar regras para mulheres que treinam. Mas ele, pessoalmente, acredita que não é uma boa ideia exagerar no exercício nos dias que antecedem a menstruação.

O conselho vale inclusive para quem usa anticoncepcionais? Segundo ele, a pílula interfere em certas células envolvidas na resposta imunológica ao exercício durante a primeira fase do ciclo menstrual. “Mas é possível que as reações durante a fase lútea sejam similares entre usuárias e não usuárias”, responde.

Ele também ressalta que os treinadores devem recomendar às alunas que querem engravidar que não peguem pesado, já que a atividade física intensa pode afetar a fertilidade.

Fonte: Redação / Uol

OUTRAS NOTÍCIAS