Tempo - Tutiempo.net

Sem lockdown, Brasil pode ter 5 mil mortes por dia em abril, alertam especialistas

O Brasil encerra esta semana com novos números alarmantes da pandemia: depois de registrar 3.769 óbitos entre quarta (31) e quinta (1º), o país atingiu, pela primeira vez, uma média móvel de mais de 3 mil mortes.

Na última sexta (2), esse número chegou a 3.013 mortes. Esse é o segundo maior número já registrado desde o início da pandemia, em março do ano passado.

A média móvel só foi maior na última quinta (1º), com 3.117 óbitos em média a cada dia.

O dado, mensurado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), considera as notificações ocorridas nos sete dias anteriores a esse período.

No total, já são 328.206 óbitos em decorrência da covid-19 e um contingente de mais de 12,9 milhões de infectados pela doença.

Outros números divulgados pelas autoridades de saúde também ajudam a evidenciar que a crescente piora da pandemia no Brasil vem se consolidando.

O último boletim da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), publicado na quarta (31), identifica que, atualmente, somente os estados de Roraima e Amazonas têm ocupação de leitos de UTI para covid abaixo dos 80%.

A situação do Distrito Federal e de outros 17 estados é de uma lotação acima de 90%.

O estado de São Paulo, por exemplo, está com índice de 92%.

Como a unidade federativa tem uma das redes de saúde mais estruturadas do cenário nacional, o dado que evidencia o atual contexto paulista acendeu mais um alerta entre os tantos que hoje chamam a atenção do país.

Medidas urgentes

Os especialistas seguem reforçando o coro sobre a necessidade de um sério lockddown nacional.

Não só a medida tem sido constantemente negada pelo governo Bolsonaro, como o presidente da República segue criticando as políticas de isolamento.

Por conta disso, na quinta (1º), mais de 30 pesquisadores, cientistas e economistas enviaram uma carta a Bolsonaro, prefeitos e governadores pedindo que seja adotado um lockdown de três semanas no país.

Segundo o grupo, a iniciativa, nomeada de “Abril pela Vida”, teria o potencial de poupar 22 mil vidas, evitando que o Brasil chegue em breve a um patamar de 5 mil óbitos por dia, porque reduziria a média móvel de mortes.

Também daria tempo para se obter a vacinação de quase todos os idosos acima de 60 anos.

A médica de família e comunidade Nathalia Neiva dos Santos, da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, reforça que, para o atual momento do país, não há saída em termos de respostas de curto prazo que não passe por uma séria política de lockdown.

“Quando se olha pra outros países, [se vê que] os que tiveram formas eficazes de controle da pandemia passaram justamente pela restrição na circulação de pessoas. É uma forma dura, traz consequências, não é livre de impactos negativos, mas, para o enfrentamento da pandemia, não se tem outra solução”.

Ela acrescenta que é necessário adotar esse tipo de medida mesmo com a imunização já em andamento:

“Você olha para os países que estão avançando nas suas vacinações e todos eles conjugam a imunização com restrição de circulações, com lockdown. Não é uma invenção: é olhar para o exemplo deles, ver como estão fazendo esse enfrentamento, ver quais as taxas de eficiência e de sucesso no controle da pandemia”.

Disputa

Paralelamente a isso, o país discute também a possibilidade de empresas comprarem vacinas contra a covid neste período atual e iniciarem a imunização dos seus funcionários antes do fim da vacinação de grupos prioritários.

Após muita controvérsia, a permissão para a aquisição de lotes pelo setor já foi dada – e convertida em lei no último dia 10 –, depois de receber aprovação do Congresso Nacional.

Mas a norma que entrou em vigor prevê que o empresário deve adquirir a carga e encaminhá-la para o Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto durar a vacinação das categorias prioritárias.

Ao fim desse processo, os empregadores podem, então, utilizar 50% das vacinas e devem doar o restante para a rede pública. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tenta agora aprovar a queda dessa norma.

A proposta é criticada pela Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares porque, na prática, a iniciativa privada teria o poder de decidir quem vai passar na frente dos grupos prioritários.

“Isso é construir uma grande desorganização do cronograma vacinal, que vai ser regido de uma forma exclusiva, pra se voltar a anos anteriores à existência do SUS, quando se tinha coisas essenciais pra saúde, como bolsas de sangue, sendo vendidas como se fosse um produto comercializável, e não é assim que funciona a organização da saúde”, diz Nathalia Neiva dos Santos.

O regramento adotado hoje pela rede de saúde segue o Programa Nacional de Imunização (PNI), tema no qual o Brasil se consolidou historicamente como uma referência internacional.

O país se destacou, por exemplo, como pioneiro na inserção de diferentes imunizantes no calendário do SUS.

Cristiane Sampaio

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS