Artistas coloniais ganham destaque em exposição no Museu de Arte Sacra

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Museu de Arte Sacra em São Paulo

O Museu de Arte Sacra, na capital paulista, apresenta a exposição “Mestres Santeiros Paulistas do Século XVII”, que traz esculturas de santos feitas por artistas do estado de São Paulo.

São 54 peças, feitas em barro e madeira, do colecionador Ladi Biezus, que, nos últimos 46 anos, utilizou as características escultóricas para determinar qual seria o mestre que produziu cada uma dessas obras ao longo do século XVII.

“São peças paulistas, produto da arte colonial paulista. Vários mestres foram identificados. Um deles é o Frei Agostinho de Jesus, que é o mais importante deles todos. É atribuída a ele a feitura da Nossa Senhora da Conceição Aparecida, que é a padroeira do Brasil, e é a imagem que está no santuário”, disse a curadora da exposição Maria Inês Lopes Coutinho. Segundo ela, na mostra, há peças do Frei Agostinho de Jesus, feitas no mesmo período.

A construção do acervo começou em 1970, com a aquisição de uma Santa Gertrudes. A partir daí, as obras foram sendo incluídas no acervo sob o critério fundamental de serem imagens paulistas.

Mais de 45 anos depois, Ladi Biezus iniciou uma pesquisa para separar as peças de acordo com traços em comum, que poderiam identificar e agrupar as esculturas por suas origens.

Há mestres que não foram identificados pelo nome nem pela data de nascimento e morte, mas que tiveram suas obras divididas somente com base nas características técnicas e estilísticas.

“Foram separados grupos e foram dados nomes, que são atribuições a partir dessas questões estéticas. Por exemplo, tem o Mestre do Cabelinho Xadrez, porque ele dava um tratamento especial nos cabelos, então todas essas imagens [com semelhanças] pertencem ao mesmo agrupamento”, disse a curadora.

O trabalho do colecionador não é baseado em uma ciência exata, são observações e estudos a partir das próprias esculturas.

De acordo com Maria Inês, “o colecionador faz uma proposição, não é uma verdade absoluta, mas a partir disso é que podemos desenvolver um estudo mais aprofundado sobre esse tempo e essas ideias”.

“Conseguimos identificar vários mestres desse período, e isso é um trabalho inédito. É um trabalho que foi desenvolvido pelo colecionador no contato com as obras ao longo de 40 anos”, comemorou a curadora. Para ela, é muito importante que uma coleção particular esteja aberta à visitação pública.

Antes, somente o próprio colecionador, sua família e amigos podiam desfrutar das obras. Nessa exposição, a sociedade poderá tomar conhecimento da arte produzia no estado durante o século XVII.

A exposição fica em cartaz entre 20 de fevereiro e 29 de maio, no Museu de Arte Sacra, na avenida Tiradentes, região da Luz.

Os ingressos custam R$ 6 e estudantes pagam meia entrada. A entrada é gratuita aos sábados. Idosos acima de 60 anos, crianças até sete anos, professores da rede pública (com identificação e com até 4 acompanhantes) não pagam a visitação.

Camila Boehm

OUTRAS NOTÍCIAS