Polícia encontra corpo de Rian Brito neto de Chico Anyzio

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

O corpo de Rian Brito, neto de Chico Anysio, foi encontrado em Quissamã, no Norte Fluminense, nesta quinta-feira, 3, mais precisamente na Vala da Lagoa Preta, no Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. A informação foi confirmada ao EGO pelo tenente Amaro Garcias, coordenador de Defesa Civil de Quissamã, primeiro a chegar ao local.

“É ele. O local é distante, com muita areia, mas identificaram por causa da pulseira e da correntinha que ele estava usando. Pelas caracaterísticas, o corpo é dele. O corpo estava deformado, sem os olhos, sem as orelhas. Estava só de bermuda. Com certeza ele morreu no mar”, declarou o tenente, que ainda revelou que Rian estava a 25 km de onde seus documentos foram encontrados.

O corpo foi encontrado 8km antes do farol da Praia de Flexeiras graças a uma denúncia que chegou até a Defesa Civil de Quissamã e à Guarda Municipal. “Viemos com as polícias Civil e Militar de Quissamã usando viaturas de tração porque não é possível chegar em um carro comum. A nossa luta foi grande e envolveu a Defesa Civil, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), os bombeiros de Campos e Macaé, foi um esforço em conjunto”, contou Amaro.

Nizo Neto e o filho Rian Brito
Nizo Neto e o filho Rian Brito

No começo desta tarde, o corpo estava na área da praia aguardando a perícia e a família ainda não tinha acesso a ele. Emocionado, Amaro lamentou não ter encontrado Rian com vida. “Tenho 33 anos de carreira e a gente sempre se sensibiliza com a dor da família. Ontem mesmo eu disse à mãe dele, que estava muito desesperada, que iria trazer o filho dela de volta. O pai também estava muito emotivo. É um sofrimento. Nosso lema é: ‘Vidas alheias e riquezas salvar, arriscando a sua própria vida para salvar e resgatar aquilo que não nos pertence’. Foi uma luta incessante de todos nós”, comentou. Segundo o tenente, o corpo foi encontrado num local muito afastado de onde estavam os pertences de Rian. “Uns 25 km. O mar jogou ele. Está entre o mar e a lagoa”, falou.

“Tudo indica que ele foi tomar banho de mar e o mar bravo o engoliu. Mas isso é uma suposição”, falou o tenente, que retornou à delegacia de Quissamã por volta das 13h para agurdar o carro da funerária, que levará o corpo do local onde foi encontrado até o IML de Macaé.

Priscila Bessa/Do EGO

OUTRAS NOTÍCIAS