Polícia suspeita da causa da morte de Raquel Santos e suspende velório para autópsia

O cirurgião responsável pelo atendimento que resultou na morte da modelo Raquel Santos, que passou mal nesta segunda-feira (11) após realizar um procedimento estético em uma clínica de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, será intimado a depor na 79ª DP (Jurujuba), juntamente com as duas enfermeiras que atenderam a a modelo no Hospital Icaraí, também em Niterói. O viúvo de Raquel, Gilberto Azevedo, também deve prestar depoimento nos próximos dias.

Segundo o delegado Mário Lamblet, responsável pelo caso, a Polícia também espera resultados de exames laboratoriais e do laudo de necrópsia realizado nesta quarta-feira (13) no Instituto Médico Legal do Barreto. “Precisamos saber as causas da morte”, explicou o delegado.

Nesta terça-feira (12), o velório de Raquel foi interrompido pela Polícia Civil, que levou o corpo para exames no Instituto Médico Legal. A 76ª DP (Centro) foi acionada pelo cartório de registro civil onde estava sendo expedida a certidão de óbito de Raquel. O cartório teria suspeitado da causa da morte registrado no atestado de óbito.

Durante o velório, o viúvo, Gilberto Azevedo, disse que Raquel estava fazendo preenchimento nos glúteos e no rosto e passou mal durante o processo. Ele conversava com policiais da 76ª DP (Centro) por volta das 15h50.

“Ela era fascinada por isso, carnaval, malhar, essas coisas. E ela queria sempre mais. Eu achava que ela, feia ou bonita, era ótima. Mas ela queria sempre mais, sem necessidade”, lamentou. Ela fumava muito e injetava Potenay [estimulante usado em cavalos] nas pernas antes de malhar”, afirmou o marido. “Não sabemos se isso pode ter contribuído para o que aconteceu. Ainda não sabemos se vamos processar a clínica. Não vai trazer ela de volta”, disse Gilberto, muito emocionado.

O médico responsável pelo preenchimento feito nesta segunda, Wagner Moraes, afirmou nesta terça-feira que o procedimento realizado é simples, foi concluído em dois minutos e não foi o responsável pela morte da musa.

“O grande problema é que ela teve um comprometimento de saúde. Ela aplicava na coxa uma substância chamada Potenay e ela usava o produto diariamente, fez uso ontem [segunda]. O marido dela contou que ela fumava três maços de cigarro por dia”, contou, afirmando ainda que a substância usada, o ácido hialurônico, não oferece riscos à saúde.

Segundo especialistas, o Potenay é utilizado inadequadamente para o ganho de músculos e muito requisitada por frequentadores de academias. De acordo com veterinários, a utilização continuada pelo ser humano tem conseqüências como derrame cerebral ou parada cardíaca por eleveção de pressão sanguínea.

Parada cardíaca
De acordo com a organização do ‘Musa Brasil’, Raquel Santos sofreu uma parada cardíaca após realizar um preenchimento no rosto para corrigir o chamado bigode chinês — marcas de expressão do sorriso.

Raquel Santos tinha 28 anos e representava o estado do Mato Grosso no concurso Musa do Brasil. “Ela representava o Mato Grosso porque, segundo ela, tinha um carinho muito grande pelo estado e tinha muitos amigos que eram de lá”, contou Eduardo Graboski.

G1 Rio

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS