Carlos Lima
Hoje dia 22/07/2018 às 06:50:05

Cultura
Carlos Lima | Publicado em 15/03/2018 às 17:07:42

Mostra Aurora 2018 começa em São Paulo

Mostra Aurora 2018 começa em São Paulo

Primeiro dos três grandes eventos de cinema que a produtora cultural mineira Universo realiza no ano – virão depois a Mostra CineOP e Mostra CineBH -, a Mostra de Tiradentes consolidou, em pouco mais de uma década, a Mostra Aurora como principal vitrine da produção autoral e independente no País. Já há algum tempo uma seleção da Aurora tem sido trazida à cidade, no CineSesc. Inaugura-se nesta quinta, 15, a Aurora 2018 em São Paulo. Além de uma seleção de premiados, a itinerância paulistana contempla títulos inéditos.

Reabrirá hoje com uma homenagem ao professor, crítico e historiador Ismail Xavier. Nos anteriores, a Aurora SP mantinha o homenageado de Tiradentes. Este ano, pela primeira vez, promove uma homenagem localizada. Para Raquel Hallak, da Universo Produção, “é um privilégio destacar e reconhecer o trabalho desse profissional que dedicou sua vida a decifrar o cinema brasileiro”. Sobre a Aurora em SP, Raquel diz que se trata de um espaço “para ampliar a janela do cinema brasileiro, que se apresenta renovada, oferecendo ao público vivenciar um dos mais pungentes retratos da nossa sociedade”. Como todo ano, a Aurora organiza sua seleção em torno de um tema. Este ano foi o chamado realista.

Até quarta, 21, serão apresentados 32 filmes – 14 longas e 18 curtas -, incluindo, na abertura, o vencedor do troféu Barroco, escolhido em janeiro pelo júri da crítica – Baixo Centro, da dupla Ewerton Belico e Samuel Marotta. Após a sessão, haverá debate dos diretores com o público, mediado pela curadora Lila Foster. Dois terços desse total é de filmes paulistas. Além das 19 sessões programadas, a Aurora SP terá dez encontros com os autores, um laboratório de documentários, uma oficina e um debate conceitual.

Por que o Chamado Realista? “Foi uma observação do que os filmes inscritos este ano estavam nos dizendo. É o cinema como espelho da nossa realidade cotidiana, colocando na tela um pouco das crises econômicas e sociais e também a questão urgente da representativa das minorias, por meio de negros, mulheres, índios, todo o universo LGBT”, avalia Raquel. A Aurora apresenta somente filmes inéditos de autores estreantes, até o terceiro longa. Naturalmente que o ineditismo se perdeu, na janela entre Minas e SP, mas o compromisso com o novo tem levado a seleção da Aurora a frequentar importantes festivais internacionais.

 

JB

Comentários

comentários

Veja também