Carlos Lima
Hoje dia 07/12/2019 às 00:02:41

Feira de Santana
Carlos Lima | Publicado em 25/06/2019 às 10:24:48

ASPRA USA TRIBUNA DA CÂMARA E QUESTIONA OBRAS DO SHOPPING POPULAR

ASPRA USA TRIBUNA DA CÂMARA E QUESTIONA OBRAS DO SHOPPING POPULAR

A Associação dos Praças, Policiais e Bombeiros Militares (Aspra) usou a tribuna livre da Câmara Municipal de Feira de Santana, na manhã de hoje, terça-feira (25), para através de um advogado trazer à tona dúvidas envolvendo a licitação do shopping popular que está divergente do que vem sendo construído.

Inicialmente não tínhamos conhecimento de que a Aspra tem como uma de suas atividades se envolver em obras, licitação e ações do Executivo, por estarem distantes da finalidade da Associação militar.

A seguir a Aspra levanta diversas dúvidas sobre a obra do Shopping Popular e declara que pediu informações à Secretaria de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, ao Departamento de Licitação e Secretaria de Administração do Município para que as dúvidas sejam esclarecidas.

Primeiro afirma que:  “a área cedida inicialmente nos parece que foi ampliada.”

Nos parece. A prefeitura vai dar informações por algo parecer?

A associação deveria dar informações precisas sobre suas dúvidas.

Em seguida faz especulação dizendo que: “Se houve ampliação existiu aditivo para que isso ocorresse?”

“Se houve ampliação da área cedida, houve ampliação do valor econômico pelo Município e pela iniciativa privada?”

E se beiju beija-se tapioca?

Ora, a prefeitura vai responder especulação?

Não tem nada a ser respondido, porque não teve nenhuma pergunta formulada no pronunciamento do representante da Aspra.

A questão levantada precisa de dados concretos.

Leitura mais apurada do contrato e das clausulas que provavelmente não estão sendo cumpridas.

“Pode o concessionário trazer nossos empreendedores para dentro da unidade além dos 1800 inicialmente cadastrados pelo Município?”

O que diz o contrato assinado pelo município e a empresa nesse empreendimento Público Privado.

Uma coisa já sabemos, existem box que foram definidos para serem ocupados por lojas âncoras, para ampliar a visibilidade e a presença de futuros clientes.

O cljornal não existe tem nenhuma intenção de impedir a transparência desse investimento Público Privado em Feira de Santana.

Entretanto não podem ocorrer tais questionamentos apenas com especulações.

Se assim for podemos dizer que temos dúvidas sobre o orçamento, elétrico, hidráulico, estrutural e queremos informações, eles podem estar superfaturado.

Poderíamos apresentar mais uma série dados especulativos sem nenhum amparo legal e concreto, apenas porque queremos discordar do que se está sendo construindo, ou porque nossa oposição cega.

É preciso apresentar fatos.

É preciso apresentar argumentos concretos que levantem suspeitas diante das dúvidas, para que o governo se manifeste.

Se a partir desse momento o governo omitir tais informações o denunciante vai ao Ministério Público, apresenta os documentos fundamentando a denúncia e o MP analisa e conforme as informações apresentadas definem se abre ou não investigação.

Se não estou errado esse é o procedimento mais correto, ético e legal.

Cljornal

Comentários

comentários

Veja também