Carlos Lima
Hoje dia 21/11/2017 às 19:25:07

Ciências
Carlos Lima | Publicado em 13/05/2017 às 09:58:43

Libélula finge a própria morte para fugir de sexo com os machos

Libélula finge a própria morte para fugir de sexo com os machos Uma atuação animal que vale um Oscar

Sabe aquela máxima “queria estar morta”? Há uma espécie animal que levou o meme a sério demais. Ela é a Aeshna juncea, uma libélula que, para evitar o sexo com os machos de sua espécie, se finge de morta.

Na encenação, a libélula – que se sente incomodada com os machos inconvenientes em busca de sexo – para de bater suas asas, cai no chão e fica imóvel por alguns minutos, até que seu pretendente vá embora.

A prática foi comprovada por um estudo realizado por Rassim Khelifa, um zoólogo da Universidade de Zurique, na Suíça.

De acordo com ele, essa é a primeira vez que a ciência encontra essa atitude para as fêmeas que querem evitar o acasalamento. Até agora, os pesquisadores só tinham encontrado outros animais que fingem a própria morte para fugir de predadores.

Em um estudo publicado na revista Ecology , Khelifa escreveu “enquanto eu estava esperando em uma lagoa perto de Arosa, a cerca de 2 mil metros de altitude, testemunhei uma libélula cair no chão enquanto estava sendo perseguida por outra”. Segundo o pesquisador, a que caiu era fêmea.

O outro inseto, que era macho, rodeou a fêmea por alguns minutos antes de ir embora. Foi aí que o zoólogo se aproximou do inseto caído no chão, fazendo-o sair voando novamente, fugindo do ‘humano bisbilhoteiro’.

Segundo o cientista, esse comportamento se repetiu em centenas de outras vezes, com outros insetos da mesma espécie. Pelas observações do zoólogo, tal encenação acontece, principalmente, quando há disputas dos machos pelas libélulas fêmeas.

Ainda não há confirmação sobre o motivo para tal atitude das fêmeas, mas há suspeitas de que, fingindo a morte para fugir de ‘predadores do sexo’, as libélulas consigam garantir uma vida mais longa, já que muitas delas morrem durante o acasalamento.

meionorte

Comentários

comentários

Veja também