Carlos Lima
Hoje dia 15/09/2019 às 19:52:58

Ciências
Carlos Lima | Publicado em 11/07/2019 às 09:04:07

Sonda japonesa tem sucesso em segundo pouso e coleta de amostras de asteroide

Sonda japonesa tem sucesso em segundo pouso e coleta de amostras de asteroide É a primeira vez que se tentará coletar detritos subterrâneos no asteroide Divulgação / Projet Hayabusa 2

A sonda japonesa Hayabusa2 colecionou mais um sucesso no fim desta quarta-feira (10, quinta no horário de Tóquio), ao realizar seu segundo pouso bem-sucedido no asteroide Ryugu. O objetivo era descer para colher mais uma amostra do asteroide, para trazer de volta à Terra no fim do ano que vem.

O local de descida foi escolhido levando em conta a segurança para a espaçonave e a proximidade com uma cratera artificial gerada por um projétil disparado pela própria Hayabusa2 em 5 de abril. A ideia é conseguir recolher parte do material ejetado da cratera, que imagens revelaram ter cerca de 10 metros de diâmetro.

O procedimento de obtenção de amostras da sonda é por si só um pouco violento. A espaçonave desce lentamente até o solo, guiada por um marcador previamente disparada na direção da superfície. Ao tocá-lo, um tiro é disparado na direção do chão e rochas do asteroide voam na direção de um chifre localizado na porção inferior da nave. Em seguida, a nave dispara rumo a uma distância segura, para garantir sua integridade.

No procedimento desta quarta, o toque com o solo se deu conforme o esperado, às 22h20 (10h20 de quinta no horário japonês), e a espaçonave confirmou por rádio sua viagem para um local seguro. Após a subida, conexão com a antena de alto ganho da sonda foi reestabelecida às 22h39, e a telemetria indicou que o procedimento parece ter se dado de forma normal, as 22h52.

É o mais novo sucesso de uma sequência impressionante na missão. A Hayabusa2 chegou ao Ryugu, um asteroide com cerca de 850 metros de diâmetro, em julho do ano passado. Em setembro, a sonda lançou dois minirrovers pela superfície, e em fevereiro a Hayabusa2 fez o primeiro pouso e coleta de amostras no asteroide.

A espaçonave tem até o fim deste ano para explorá-lo, quando deverá impreterivelmente tomar o caminho de casa —a mecânica celeste não espera ninguém. A missão estava preparada para fazer até três tentativas de pouso e coleta de amostras, mas os cientistas encontraram terreno mais acidentado que o esperado. Por conta disso, é improvável que a Jaxa (agência espacial japonesa) realize uma terceira tentativa. Dois sucessos são uma notícia boa demais para arriscar colocar tudo a perder numa terceira tentativa, talvez danificando a espaçonave de forma irrecuperável.

A Hayabusa2 é a primeira espaçonave da história a visitar um asteroide do tipo C, rico em carbono. Espera-se que as amostras trazidas pelo Ryugu ajudem os cientistas a investigar que tipos de moléculas orgânicas —quiçá precursoras da vida— asteroides podem ter trazido à Terra no passado remoto, além de investigar o ambiente de formação planetária no Sistema Solar, 4,5 bilhões de anos atrás. Os asteroides são genericamente tidos como “restos” do processo que levou ao nascimento dos planetas.

FolhaPress SNG

Comentários

comentários

Veja também