Eduardo Bolsonaro vira piada ao defender separação por gênero nas escolas

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Eduardo Bolsonaro

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) defendeu, pelas redes sociais, a separação por gênero nas escolas.

O parlamentar citou o livro da deputada estadual Ana Carolina Campagnolo (PSL-SC), Feminismo: Perversão e Subversão, e relatou que a autora cita o declínio do uso das escolas que “só aceitam um sexo”. A declaração do Zero Três resultou em piadas e memes no Twitter.

“Há forte pressão, principalmente das feministas, para que as escolas abriguem na mesma sala meninos e meninas, mesmo havendo bons argumentos pedagógicos e empíricos atuais recomendando o contrário”, escreveu o parlamentar em sua conta oficial do Twitter.

Eduardo Bolsonaro ainda citou dois argumentos que, de acordo com a sua lógica, indicariam os benefícios das escolas separadas por gêneros. “Na Inglaterra mais de 90% das 25 melhores escolas inglesas são ‘single sex’; o mais antigo colégio brasileiro deste tipo, o São Bento (1858) que só aceita garotos, foi o 4º no ENEM 2012”, completou o deputado.

Para a pedagoga e especialista em educação do Itaú Social, Juliana Souza Yade, a segregação por gêneros na sala de aula pode ser considerada um “retrocesso”.

Juliana afirma que as crianças precisam de um ambiente coletivo para terem contato com a diversidade em diversos sentidos.

“Essa composição mista é saudável para os alunos. A diversidade enriquece o ambiente”, considera.

Ela conta que o modelo defendido por Eduardo remonta à metade do século passado e que, desde o fim da Ditadura Militar, as políticas educacionais se voltaram à inclusão.

“Na década de 1960, por exemplo, o modelo majoritário nas escolas era a segregação por gênero”, afirma. Para a educadora, o papel da escola é a formação de “seres sociais”, que tenham relações múltiplas.

Após a declaração, internautas criticaram Eduardo Bolsonaro e seu raciocínio.

Alguns deles apontaram a ambiguidade do argumento exposto, já que as outras escolas que ocuparam a primeira, segunda e terceira posição são mistas.

Um internauta divulgou matéria da imprensa britânica afirmando que apenas 6% das crianças inglesas vão para escolas divididas por gênero.

Os usuários trouxeram até o psiquiatra Sigmund Freud, pai da psicanálise, para a discussão

RPP – Foto Reuters

OUTRAS NOTÍCIAS