Carlos Lima
Hoje dia 11/11/2019 às 20:37:30

Política
Carlos Lima | Publicado em 22/10/2019 às 12:26:26

A foto da “arminha” de Bolsonaro contra Moro e os dois demônios

A foto da “arminha” de Bolsonaro contra Moro e os dois demônios

A fotógrafa Gabriela Biló já é forte candidata ao prêmio da melhor foto do ano.

Ela fixou para a posteridade uma cena de elevado simbolismo. No último dia 15, durante uma cerimônia de hasteamento da bandeira nacional, o presidente da República fez o seu característico gesto de armas nas mãos apontando para o ministro Sérgio Moro, sob os risos do colega Paulo Guedes.

De cabeça baixa o ex-juiz passa a impressão de total submissão e desamparo.

O Estado de S. Paulo usou a foto para ilustrar uma reportagem de capa daquele dia tratando de uma das recentes crises ocorridas no governo.

Essa, especificamente, dizia respeito a ação da Polícia Federal, comandada por Moro, contra o presidente do partido de Bolsonaro, o PSL, Luciano Bivar.

A foto permite diferentes interpretações, entre elas a da rendição total de Moro ao presidente.

Somada à declaração do ministro Gilmar Mendes de que o ex-juiz “virou personagem que Bolsonaro leva para jogo do Flamengo” e da mensagem cifrada da mulher do próprio Moro escrevendo para ter “coragem de dizer eu ‘mereço mai’’ e vá embora” forma-se um quadro sintomático do enfraquecimento daquele que foi considerado no início do governo um superministro.

Mas da parte do jornal pode-se buscar outras interpretações para a publicação da foto com tanto destaque, além, é claro, da sua qualidade jornalística.

O Estadão já há algum tempo desembarcou da canoa do presidente, formulando críticas duras em editoriais contra sua forma de governar, especialmente na questão dos costumes.

Todavia, poupa o ex-juiz de Curitiba.

Ele, na foto, pode ser visto como se estivesse cercado por seus algozes, necessitando de apoio e proteção.

Se essa foi a interpretação dos leitores, o jornal teria conseguido através de uma imagem deixar claro o seu distanciamento do presidente e, ao mesmo tempo, a sua proteção ao ex-juiz.

O que não seria nada incoerente.

Mesmo após as revelações dos atropelos de Moro na condução da Lava Jato, grande parte da mídia continua o protegendo. Organizações como a Globo, por exemplo, mantêm-se fiel a ele. Afinal foram cinco anos de uma ação conjunta entre os veículos da empresa, o então juiz federal de primeira instância e os procuradores de Curitiba.

Esses laços, amarrados por fortes interesses políticos e econômicos, não se desfazem tão facilmente.

 As eleições presidenciais do ano passado contaram com a participação decisiva da Lava Jato.

Se os desvios legais cometidos pelos integrantes da operação tivessem sido conhecidos naquela época, os resultados certamente teriam sido diferentes.

Seria muito mais difícil para a mídia construir a “teoria dos dois demônios”, colocando como simétricos os dois candidatos que foram para o segundo turno.

Em editorial, o Estadão, chegou a dizer que a escolha entre eles “era difícil”.

Lamentando a inexistência de um candidato de centro, o jornal dizia que havia “de um lado, o direitista Jair Bolsonaro (PSL), o truculento apologista da ditadura militar; de outro, o esquerdista Fernando Haddad (PT), o preposto de um presidiário.

Não será nada fácil para o eleitor decidir-se entre um e outro”.

Não só para o Estadão, mas para a quase totalidade da mídia corporativa, os dois demônios só existiam porque, de um lado, um dos candidatos era apoiado por um “presidiário”.

Agora, com as revelações do site The Intercept Brasil deixando cada vez mais evidente o teor político do processo e da prisão ex-presidente Lula, a afirmação do jornal chega a ser ridícula.

Mas foi ela, com toda a sua fragilidade, a base da argumentação usada para equiparar o candidato Fernando Haddad a Jair Bolsonaro, ainda que fosse mencionada a sua truculência, representada pelo apoio à ditadura militar.

Apoio não só dele mas de praticamente de toda a mídia, é sempre bom lembrar. No entanto, a diferenciação entre o candidato da extrema-direita, categorização que a mídia se nega a usar, e o da esquerda vai muito mais longe.

Na verdade estava-se diante de uma candidatura protofascista, cujos sinais já eram evidentes durante a campanha, tornando-se palpáveis depois da vitória.

Quem não se lembra de Bolsonaro, em discurso transmitido em telões na Avenida Paulista, definindo a esquerda como inimiga a ser destruída, com ameaças de exílio ou prisão para os seus integrantes.

Tendo a violência como base de suas ações e a imagem da arminha feita com as mãos, seu símbolo de campanha, o candidato deixava claro que sua política seria do ‘nós’ e ‘eles’, cerne do fascismo. Como está sendo demonstrado desde janeiro.

Ao se completar um ano das eleições presidenciais que levou ao poder pela primeira vez, por meio do voto, um candidato de extrema-direita, a imagem da “arminha” apontada pelo presidente ao seu ministro revela não só a desagregação do governo eleito.

Mostra também as nefastas incoerências da mídia que impuseram à sociedade uma equivalência inexistente entre candidaturas, facilitando a vitória daquele do qual agora alguns tentam se afastar. Para a soberania nacional e a sobrevivência da democracia, pode ser tarde.

Laurindo Lalo Leal Filho

Comentários

comentários

Veja também