Gilmar Mendes restabelece absolvição de condenado por tentar furtar doces

Foto: Divulgação

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu um pedido da Defensoria Pública de São Paulo nesta terça-feira (15) e determinou a absolvição de um condenado por tentativa de furtar caixas de chocolates e balas que somavam R$ 126,36. Ele foi detido por seguranças ao tentar sair de um supermercado sem pagar.

Mendes restabeleceu a sentença da primeira instância da Justiça, que considerou que não houve crime no caso.

Segundo o processo, o homem estava em um supermercado de Tatuapé, em São Paulo, e escondeu na mochila duas caixas de chocolate, uma caixa de bala, uma garrafa de refresco. Tudo avaliado em R$ 126,36.

O caso aconteceu em maio de 2015, e, após esconder os produtos na mochila, o homem passou pelo caixa sem pagar. Em seguida, foi detido por seguranças.

Ao analisar o processo, o juiz de primeira instância considerou que não houve prejuízo para o supermercado e que não havia motivo para a punição pelo Estado. Mas o Ministério Público recorreu e pediu que ele fosse condenado por ser reincidente. Não há nos autos qual foi o outro crime cometido pelo acusado.

O Tribunal de Justiça de São Paulo aceitou o recurso e impôs pena de 1 ano e 3 meses em regime fechado por conta da reincidência. Os desembargadores destacaram que ele foi capturado após tentar fugir com a mercadoria.

A Defensoria recorreu, e o Superior Tribunal de Justiça manteve a condenação, mas a reduziu para 1 ano em regime fechado, sem possibilidade de conversão para prestação de serviços. De novo, a Defensoria foi ao Supremo e alegou insignificância no caso.

O ministro Gilmar Mendes, ao analisar o caso, citou a “irrazoabilidade” de o processo ter passado por tantas instâncias da Justiça e ter movimentado o aparelho do Judiciário diante da insignificância.

“A situação fática posta nos autos chama a atenção pela absoluta irrazoabilidade de ter se movimentado todo o aparelho do estado-polícia e do estado-juiz para se condenar o réu”, afirmou o ministro

Segundo Mendes, “não houve sequer prejuízo material para o supermercado, já que os objetos foram restituídos”. O ministro escreveu que o caso mostra:

mínima ofensividade da conduta do acusado

ausência de periculosidade social

reduzido grau de reprovabilidade do comportamento

inexpressividade da lesão jurídica causada

Mariana Oliveira

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

OUTRAS NOTÍCIAS