Carlos Lima
Hoje dia 22/08/2018 às 01:15:14

Saúde
Carlos Lima | Publicado em 08/08/2018 às 09:07:07

Agrotóxico é identificado em amostras de leite materno no Piauí

Agrotóxico é identificado em amostras de leite materno no Piauí Agrotóxico contaminando leite materno

De 20 anos para cá, a soja começou a tomar conta do sudoeste do Piauí, na fronteira com o Maranhão.

E como ela, os agrotóxicos estão cada vez mais presentes. O estado ocupa a 14ª posição no ranking dos estados consumidores desses produtos.

Em 2016, consumiu 10,1 milhões quilos, o equivalente a 3,18 quilos por habitante.

Embora essa taxa corresponda à metade da média nacional, conforme o IBGE, esses produtos já espalham seus efeitos nocivos entre a população.

Tanto que o glifosato, agrotóxico mais consumido no mundo e no Brasil, foi encontrado em grande parte das amostras de leite materno coletadas em dois municípios.

Em pesquisa para seu mestrado no programa de pós-graduação em Saúde da Mulher do Centro de Ciências da Saúde, da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Inácio Pereira Lima constatou a contaminação por glifosato ou ácido aminometilfosfônico (Ampa) – ou ambas as substâncias – em 83,4% das amostras obtidas na maternidade do Hospital Regional Dirceu Arcoverde (HRDA), em Uruçuí.

O município localizado no sudoeste, a 450 quilômetros da capital Teresina, é o maior produtor de soja no estado. Suas lavouras recebem grandes quantidades de agrotóxicos principalmente por meio de pulverização aérea.

A surpresa, porém, foi ter encontrado a mesma contaminação em amostras coletadas entre lactantes do município de Oeiras.

Localizada a 300 quilômetros da capital, na região sudeste, é o contrário de Uruçuí: ali a produção agrícola é a menor do estado. Das amostras obtidas na maternidade do Hospital Regional Deolindo Couto (HRDC), 46,1% continham o agrotóxico e seu derivado.

Entre as mães que participaram do estudo, cedendo amostras de leite, Inácio questionou também casos de aborto.

E descobriu que em Uruçuí, 23,1% delas tiveram a gravidez interrompida de uma a quatro vezes.

O dado é maior do que o encontrado em Lucas do Rio Verde (MT), em 2011, em pesquisa da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Estudos epidemiológicos apontam a exposição crônica a agrotóxicos, principalmente durante a gravidez, como fator de risco para a prematuridade, baixo peso ao nascer, peso reduzido para a idade gestacional, microcefalia e aborto.

“A presença do glifosato no leite materno indica contaminação direta por este agrotóxico ou que as quantidades utilizadas na atividade agrícola da região pode ser tão elevada que o excesso não foi degradado pelo metabolismo das plantas ou microbiológico.

E nas localidades onde não há atividade agrícola, há suspeita de contaminação da água por agrotóxicos“.

Cida de Oliveira

Comentários

comentários

Veja também