Carlos Lima
Hoje dia 22/05/2019 às 23:10:38

Saúde
Carlos Lima | Publicado em 14/03/2019 às 11:40:05

Risco de prisão de ventre aumenta depois da menopausa

Risco de prisão de ventre aumenta depois da menopausa A médica Sthela Maria Murad Regadas, presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia — Foto: Divulgação

A prisão de ventre está entre as inúmeras alterações causadas pela menopausa, devido à redução do hormônio estrogênio. A constipação atinge cerca de 30% da população, mas com prevalência entre as mulheres, ou seja, são elas que sofrem mais com o problema, que pode ser agravado com a idade. Conversei com a médica Sthela Maria Murad Regadas, presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia e professora associada de Cirurgia Digestiva na Universidade Federal do Ceará, onde fez mestrado e doutorado – além de ter realizado pós-doutorado na Cleveland Clinic Florida.

A especialista afirma que há dois aspectos diferentes relacionados à constipação, igualmente relevantes: “o primeiro se refere ao trânsito, isto é, o tempo que a pessoa leva sem evacuar, que não deve exceder três dias. O segundo ponto é a qualidade da evacuação, que envolve características como consistência e dificuldade de expulsão. São duas formas de apresentação do quadro, que podem estar associadas ou não, mas ambas impactam na qualidade de vida do paciente”.

Uma dieta rica em fibras – o ideal é ingerir de 20 a 30 gramas por dia – pode melhorar bastante o mal-estar. A doutora Sthela lembra que, além de estarem presentes em frutas e verduras, as fibras podem ser consumidas na forma sintética (as práticas barrinhas) ou em pó para ser diluído em água ou outros líquidos. “A fibra também tem um papel de proteção da parede do intestino”, explica, “por isso é tão importante na alimentação. E é fundamental ingerir bastante água, do contrário as fezes tenderão a ficar desidratadas e endurecidas”.

Segundo ela, o motivo de as mulheres serem propensas à prisão de ventre está relacionado a diversos fatores, inclusive a um padrão de comportamento feminino: “na fisiologia normal, o desejo de evacuar surge quando uma quantidade de 100ml a 120ml de fezes chega no reto, a parte final do intestino, que também é chamado de reservatório. É quando a pessoa sente a urgência de ir ao banheiro. No entanto, esse reservatório é complacente, ou seja, quando se posterga a evacuação, ele se distende e há uma acomodação do material. Muitas mulheres sofrem de constrangimento para evacuar, evitando a ida ao banheiro. O resultado é o acúmulo de fezes, que vão se ressecar, podendo levar a sangramentos”. A recomendação para evitar esses sintomas é seguir uma dieta rica em fibras e ingerir bastante líquido; se for preciso, são prescritos medicamentos que funcionam como reguladores intestinais. O exercício é um grande aliado contra a prisão de ventre, porque ativa o metabolismo e melhora a movimentação do intestino.

Constipação não é o único problema. De acordo com a médica, a incontinência fecal ocorre com mais frequência entre as mulheres e, infelizmente, ainda é um assunto tabu: “elas têm vergonha e não tocam no assunto no consultório. O problema é multifatorial, podendo surgir como consequência de muitas gestações, perda da tonicidade ou envelhecimento de tecidos. Embora não tenha cura, há diversas ações para melhorar a qualidade de vida da paciente”.

Há um sinal de alerta para homens e mulheres: sangue nas fezes (ou percebido no papel higiênico). Nesse caso, o especialista deve ser procurado imediatamente, para descartar doenças graves. A doutora Sthela enfatiza que a colonoscopia deve ser realizada a partir dos 50 anos, se o indivíduo não tiver nenhum sintoma; mas, se houver histórico familiar, a partir dos 40. Mesmo que o exame não tenha indicado alterações, o intervalo até o próximo check-up não pode passar de dez anos. Ela alerta que os mais idosos devem se submeter à colonoscopia: “se o paciente tem 75 anos ou mais, mas está hígido, deve realizar o exame. Estudos recentes demonstram um aumento de prevalência dos casos de câncer colorretal, mesmo antes dos 40 e acima dos 75 anos”.

 Mariza Tavares

Comentários

comentários

Veja também